O Brasil é um país muito vasto, de muitas culturas e histórias. Por isso, o ecossistema de alguns lugares lembra o país antes do descobrimento. Áreas inteiras ainda são completamente selvagens. Isso, no entanto, pode acarretar verdadeiras tragédias, quando há um acidente ou descuido. Prova disso é um caso que tomou conta do Mato Grosso. Duas crianças, de oito e nove anos, podem ter sido mortas por jacarés do Rio Guaporé. A informação virou uma das possibilidades apontadas pela polícia, já que os corpos delas não foram encontrados, após dez dias de buscas. Os mergulhadores, um drone e até um cachorro especialista nesse tipo de trabalho foram utilizados.

Publicidade
Publicidade

O início das buscas foi em 27 de fevereiro, data em que a criança teve o seu desaparecimento informado pela família às autoridades. As duas crianças brincavam em um barranco, quando esse desmoronou. Um menino caiu no rio e o outro, tentando ajudar o amigo, acabou indo junto parar o Guaporé. Os animais das espécies Caiman e Jacaré-açu foram avistados na região. Como nessa época do ano o nível do rio sobe, aumenta a quantidade de exemplares de jacarés. Alguns chegam a passar dos cinco metros de comprimento. Por isso, poderiam ter comido as crianças, que eram bem pequenas.

Além dos jacarés, nessa época do ano, o rio de Cuiabá fica repleto da chamada "piranha vermelha", que ataca quando vê sangue. “Estamos vivendo momentos de angústia e incerteza todos esses dias. Ao mesmo tempo que temos esperança, não sabemos se vamos encontrar os corpos”, revelou um dos familiares dos meninos que sumiram.

Publicidade

Veja abaixo um vídeo que mostra como é o ataque do jacaré. Atenção, as imagens a seguir podem ser consideradas fortes por alguns leitores. Por isso, deixamos o nosso alerta. Na sua opinião, os menores foram mortos vítimas de um ataque de jacaré, ou outra explicação pode elucidar o que teria acontecido no rio selvagem do Mato Grosso? Deixe seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade.

#É Manchete!