O nome da ex-#BBB não pode ser citado e não foi citado pela fonte original, o colunista Leo Dias, porque o processo passou a correr em sigilo de Justiça. Mas não é segredo para ninguém quem é a ex-BBB que acusou seu ex-marido de ter abusado de seus filhos de 3 e 4 anos.

Desde agosto de 2016, a Polícia Civil do Estado de Mato Grosso do Sul investiga uma denúncia feita por uma ex-BBB que mora na cidade. Ela terminou seu casamento de forma conturbada e ainda acusou seu #ex-marido de #Abuso de menores.

Foi entregue como prova na polícia um vídeo onde os meninos de 3 e 4 anos afirmavam que o homem havia abusado deles. O homem é um personal trainer de 28 anos, segundo a coluna de Leo Dias, no jornal O dia.

O delegado responsável pelo caso, Fabio Sampaio, da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), concluiu o inquérito essa semana dizendo que já tem provas suficientes para incriminar o acusado do crime bárbaro.

Com inquérito encerrado na Polícia Civil, o caso agora será encaminhado ao Ministério Público do Mato Grosso do Sul. O órgão fará as diligências e estudos acerca do processo e pode inquirir novas testemunhas, novas provas ou mesmo, pode dar como suficiente a coleta de provas contra o acusado.

A partir daí, o MP dá entrada em uma ação penal pública e a partir do momento que a Justiça aceitar o processo, o acusado torna-se réu na ação.

A coluna de Dias contactou os advogados dos escritório Renata Pimentel, em Campo Grande, que acompanha o caso. A advogada Mayara Gonçalves se recusou a falar sobre os autos, uma vez que o processo corre em segredo de Justiça.

Segundo informações do processo, o ex-marido teria abusado das crianças urinando e ejaculando em cima dos meninos, que tem apenas 3 e 4 anos.

Na época, houve uma comoção muito grande dos internautas que "condenaram" previamente o acusado, o ex-marido. Mas houve quem também "condenasse" a mãe que não via esse tipo de abuso acontecer dentro de sua própria casa. Aliás, quem descobriu os abusos nem foi a mãe e sim uma tia que desconfiou da situação e conseguiu fazer um vídeo com os supostos abusos.

Fato é que, se condenado, pode pegar até 15 anos de prisão.