Na tarde desta última quinta-feira (23), o ex-presidente da empresa Odebrecht juntamente com ex-executivos do setor prestaram depoimento para o Supremo Tribunal Eleitoral, a fim de fiscalizar abusos de poder da chapa Dilma-Temer. Segundo os relatos dados ontem teria sim existido uma forte relação entre a empresa e o governo inclusive com contribuições para que as eleições sucessivas acontecessem. De acordo com Marcelo Odebrecht o estreitamento das conversas teriam acontecido ainda em 2010, na primeira campanha do governo Dilma, onde 50 milhões foram doados à campanha. Logo depois em 2014, quando existia a possibilidade de uma reeleição novas conversas foram feitas e também outras doações.

Publicidade
Publicidade

Para o empresário, a segunda campanha da até então presidente também foi ‘inventada’ por ele, no sentido de que todos os investimentos realizados foram pautados em decisões suas. Na ocasião da última tentativa de poder, foram doados mais de 150 milhões de reais para que a campanha acontecesse. Como já existia uma relação anterior do governo com o a empresa, criou-se a expectativa de que o principal doador seria a construtora sob troca de benefícios posteriores. Dentre os envolvidos nas negociações todos esses anos estão o até então ministro a Fazenda, Guido Mantega, e o ministro da Casa Civil Antonio Palocci, indicando que as negociações também passavam pelo Partido dos Trabalhadores.

Segundo ele, outras coligações que apoiavam o governo Dilma também receberam investimentos na ocasião.

Publicidade

Ao todo, de acordo com Marcelo foram feitos investimentos de 170 milhões de reais na campanha. Para efeitos gerais ele informou que as contas para onde o dinheiro ia, não era veiculada ao PT e sim era uma conta corrente para a presidência no período. Segundo ele, apesar de não ter negociado diretamente com a presidente, as conversas com seus ministros mostravam que ela estava ciente das negociações que estavam sendo feitas. Ela saberia da grandeza das doações feitas para a sua campanha, assim como das cobranças. O STE ainda deve apurar os fatos para entender os enlaces que ligam cada um dos envolvidos.

#Crime #Investigação Criminal