Muitas famílias se esforçam para pagar cheches para os seus filhos. Pais e mãe precisam trabalhar e deixam os seus filhos para serem cuidados em creches. A falta de escolha faz com eles confiem nesses profissionais. No geral, uma creche costuma ser cara e espera-se para que as crianças e bebês sejam bem cuidados. Infelizmente, nem sempre é isso o que ocorre. Uma estagiária, por exemplo, havia sido contratada por uma creche da cidade de Salto do Lontra, no Sudoeste do estado do Paraná. No entanto, a profissional não tinha o menor pré-requisito para cuidar dos pequenos.

Um vídeo gravado por uma câmera de celular mostra o momento que a estagiária começa a bater em um bebê, que parece ter poucos meses de vida.

Publicidade
Publicidade

Quem teria feito a gravação foi outra funcionária da creche, que ficou revoltada com a situação. Ela resolveu denunciar a estagiária à polícia, que agora investiga o porquê ela cometeu os maus-tratos contra os pequenos. A prisão temporária da estagiária já foi pedida e ela pode passar bastante tempo no xilindró. A creche se defendeu e disse que a profissional estava na função há pouco tempo e que o período de trabalho dela era de experiência, a fim de ver se tinha capacidade de ficar com as crianças, o que claramente foi mostrado ser impossível.

No vídeo que pode ser visto ao final da reportagem, a mulher da chacoalhões em um bebê por ele chorar muito. As imagens, inicialmente, apareceram nas redes sociais, mas ganharam impacto nacional a partir do momento que foram exibidas pelo programa policial 'Cidade Alerta', da Record TV.

Publicidade

Segundo o delegado, a funcionária denunciante disse, em depoimento, que não foi a primeira vez que presenciou uma agressão praticada pela suspeita contra crianças da creche. A estagiária já contratou um advogado para se defender. Ela ainda continua solta e deve alegar que estava passando por problemas emocionais e que, por isso, teve tais atos.

Veja abaixo o vídeo que mostra a mulher agredindo a criança e que ganhou grande repercussão nas redes sociais.

#Crime #Investigação Criminal