De acordo com o depoimento de Marcelo Odebrecht na Operação Lava Jato, realizado no dia (2) de março, ele teria repassado uma quantia em dinheiro para financiar as campanhas do PSDB. Na ocasião, o candidato Aécio Neves teria recebido R$ 16 milhões para disputar as eleições presidenciais de 2014. Em outro depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral TSE, o delator explica que Aécio teria pedido o dinheiro para aliados do então ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ao ser procurado pela equipe de reportagem do Portal G1, FHC negou todas as informações e afirmou que Aécio Neves jamais fez qualquer pedido de doação para ele. Fernando Henrique contou ainda que desconhece qualquer depoimento prestado no TSE.

Publicidade
Publicidade

Para Fernando Henrique, o depoimento do delator não é prova e é preciso provas para comprovar os fatos. Entretanto, os valores citados por Marcelo foram anotados em uma planilha apreendida pela Polícia Federal e confirma o envio de dinheiro para o mineirinho. Os investigadores da Polícia Federal não tem dúvidas que o apelido faz referências ao senador Aécio Neves.

Após ser questionado se o PSDB continuará apoiando o governo de Michel Temer depois do afastamento do Ministro Chefe da Secretária de Governo Gedel Vieira Lima, Fernando Henrique afirmou que o PSDB sente- se responsável pelo Brasil e precisa da união de todos para voltar a crescer. Após a renúncia do ex-ministro da cultura Marcelo Calero, que afirma ter sido pressionado por Michel Temer para facilitar a construção de um imóvel para Gedel, o caso acabou repercutindo pelo país e aumentou ainda mais a pressão sobre o atual presidente.

Publicidade

Na tentativa de minimizar o escândalo, Gedel Vieira Lima resolveu renunciar seu cargo.

Depois que foi questionado sobre o suposto esquema de corrupção envolvendo políticos do PSDB, o presidente nacional do partido Aécio Neves afirmou que as acusações de Marcelo Calero são consideradas sem fundamento e nem de longe atingem o presidente Michel Temer. Ele também criticou a decisão de Calero em renunciar ao Ministério da Cultura após sofrer pressão #Política. Ao explicar sobre a denúncia de um suposto áudio contendo diálogos entre políticos ligados ao governo federal, no qual Aécio Neves é acusado de exercer tráfico de influência, o senador do PSDB, explicou que, no momento, não existem provas contra ele e considera a atitude do ex-ministro da cultura como passível de punição. #Recessão #Crise Política