Nesta semana, um polêmico vídeo foi divulgado em uma página de política brasileira. O perfil, mais alinhado à direita, faz pregação contra partidos como o PT e defende o deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC do Rio de Janeiro, além de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos. As imagens mostram um homem completamente fora de si discutindo com uma médica. Ela tenta tirar o agressor da sua frente, mas ele é visivelmente mais forte. A médica em apuros começa a ser socada e uma amiga sua, aparentando ser uma enfermeira aparece e tenta ajudá-la. A suposta enfermeira também apanha do agressor fora de si.

As imagens mostram ainda a médica sendo jogada no chão.

Publicidade
Publicidade

Por segundos, ela parece que está desacordada. A enfermeira sai de cena e aparente ter ido chamar ajuda. Mais tarde, a profissional da saúde, antes caída, levanta-se e volta a conversar com o paciente. Toda a cena foi flagrada por uma câmera de segurança. Não se sabe o que aconteceu após o episódio, mas as cenas, viralizaram no Brasil. O perfil que divulgou o conteúdo conseguiu um milhão de exibições com o vídeo. O problema são as informações desencontradas passadas por ele.

Imagens repercutiram em todo o Brasil e geraram polêmica online

A página em questão diz que o episódio teria ocorrido, recentemente na França, e que o homem, na verdade, seria um refugiado, que saiu da Guerra na Síria e estaria tentando a sorte na Europa. Os próprios seguidores da página brasileira já acreditam que o caso tenha acontecido em outro país, a Rússia, conhecido pelos fatos de violência com repercussão planetária.

Publicidade

Infelizmente, o caso relatado nessa reportagem não é único. Médicos estão sujeitos a todos os tipos de violência e isso ocorre no Brasil.

Veja abaixo o vídeo que acabou viralizando nas redes sociais brasileiras. Na sua opinião, que medida as autoridades deveriam tomar contra esse homem agressivo? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade.

#Crime