Mais um caso chocante por arma de fogo entra para as estatísticas no Brasil. Desta vez, foram duas as vítimas: a mãe de um bebê de colo e o pai, que inconformado com o fim do relacionamento, se matou depois de atirar na ex.

Os detalhes mais sórdidos da história, ocorrida no povoado de Laranjeiras, em Sergipe, é que o assassino que matou a ex-mulher e depois se matou estava segurando a filha bebê do casal no colo. Ele é William Alves dos Santos, de 23 anos de idade.

O jovem se matou dando um tiro na própria cabeça, pois não suportava a ideia de estar separado da mulher. O afastamento dos dois completava uma semana.

Segundo o depoimento de testemunhas que conheciam os dois, William era violento com a ex, Maria Maiza de Jesus Santos, que tinha apenas 17 anos de idade.

Publicidade
Publicidade

Os conhecidos do casal contaram ainda que na noite em que romperam a relação, o ex-companheiro havia tentado agredir a jovem e por esse motivo ela o mandou embora de casa, dizendo que não queria mais ficar com ele.

Por algumas vezes, depois do rompimento William tentou retornar à casa da vítima, mas a jovem se recusava a reatar a relação. No dia em que ocorreu o assassinato seguido de suicídio, o rapaz chegou à casa com uma embalagem de presente. Na ocasião, disse que seria um presente para a filha de seis meses, para não levantar suspeitas. No entanto, tratava-se de um disfarce para encobrir a arma do #Crime e a sua real intenção.

Ainda nesse mesmo dia, William discutiu com a vítima no meio da rua. Conseguiu entrar na casa e lá cometeu o assassinato. Ele teve a frieza de disparar três tiros contra a jovem.

Publicidade

Na sequência mirou na própria cabeça e disparou. A filha, que estava no colo do assassino e suicida, não se feriu.

Conforme os depoimentos, uma irmã mais nova da vítima chegou a ver o crime e conseguiu correr para fora da residência e pedir ajuda aos vizinhos. Entretanto, quando a polícia militar e o socorro médico chegaram na residência, o casal já estava morto. A bebê está sendo acompanhada por membros do Conselho Tutelar.

#Incêndio