O sistema prisional maranhense é falho, e devido a isso, cerca de 64 detentos acabaram falecendo entre janeiro de 2013 até janeiro de 2014. Para "reverter" a situação, a Justiça decidiu ajudar os familiares do presos mortos. Seguindo a lógica do Supremo Tribunal Federal (STF), o Estado deve se responsabilizar pelas mortes. A decisão da Justiça, em primeira instância, na 3° Vara do Tribunal Regional Federal (TRF), causou grande polêmica.

Um texto redigido pelo juiz Clodomir Sebastião Reis, enfatiza que as famílias tem total direito de receberem indenização por danos morais, causados pela manutenção precária do governo feitas no sistema prisional, e cita que como consequência, isso levou à morte vários presos.

Publicidade
Publicidade

O STF participou dessa decisão porque votou a favor de que o Estado tem responsabilidade total pelo que acontece dentro dos presídios de todo o país. Cada uma das 64 famílias receberão a quantia de R$ 100 mil como indenização, somando, esse valor ultrapassa a casa dos R$ 6 milhões.

O governo do Maranhão foi procurado para dar esclarecimentos sobre o fato, mas nesta última quinta-feira (09), não foi possível o contato.

Massacres e decapitações

O início desse ano de 2017 foi marcado com uma movimentação intensa em vários presídios do Brasil, causando certo alvoroço na população. Facções criminosas como a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC) deixaram mais de 120 detentos mortos, muitos deles tiveram as cabeças decapitadas, vídeos foram colocados ao ar para público por meio da internet.

Publicidade

Uma crise carcerária foi instalada nos estados do Amazonas, Roraima e Rio Grande do Norte.

Um outro motim aconteceu em 2014, presos filmaram outros detentos sendo decapitados no Complexo de Pedrinhas, Maranhão, a penitenciária entrou na lista das cinco piores prisões para um preso cumprir pena no Brasil.

Além de Pedrinhas, o Complexo do Curado, em Recife, entrou na lista. Assim como o #Presídio Central de Porto Alegre, a Penitenciária Lemos Brito, em Salvador e o Presídio Urso Branco de Roraima. #massacre #Crise