A Operação #Carne Fraca, que apura diversas irregulares na produção de alimentos de origem animal no Brasil, provocou um belo estrago na imagem de várias marcas consumidas pelo brasileiro, como Friboi, Seara, Perdigão, Sadia, DaGranja e Swift, entre outras. Ciente disso as maiores empresas do setor estão se mobilizando para provar ao país e o mundo que a carne brasileira tem qualidade e passa por rígidos controles de qualidade.

No entanto, em um vídeo divulgado na televisão e no #YouTube, a JBS (dona da Friboi, Swift e da Seara) cometeu um deslize ao mostrar a imagem de uma picanha com data de vencimento em11 de maio de 2013.

Publicidade
Publicidade

Após a repercussão negativa o vídeo foi tirado do ar, mas acabou voltando ao YouTube.

A peça publicitária foi publicada na plataforma de vídeo e tinha como alvo o consumidor em geral, que ficou chocado com a divulgação de que várias empresas do setor alimentício estavam vendendo carne vencida, estragada, contendo produtos químicos cancerígenos e até papelão. O comercial visava deixar claro que a JBS tem a qualidade do seus produtos como sua maior prioridade.

Até aí, tudo bem. Afinal, faz parte do negócio de qualquer empresa investir em propaganda e marketing. O problema é que os internautas não perdoaram um detalhe inusitado no vídeo. Logo no início do vídeo, a empresa exibe a imagem de uma picanha com data de fabricação e validade de 2013. Isso foi suficiente para as redes sociais espalharem a informação, dando origem a um grande burburinho em torno do assunto.

Publicidade

Assista ao vídeo:

Logo que tomou ciência da situação, a JBS tratou de esclarecer os fatos. Segundo a companhia, não há nada de errado com o vídeo e a agência responsável pela produção apenas inseriu imagens de arquivo. A seguir está o comunicado da companhia:

"A JBS informa que o filme foi produzido a partir de imagens de arquivo. A campanha reforça o compromisso da Companhia com a alta qualidade e segurança alimentar em todos os produtos de suas marcas".

Mais tarde, a empresa publicou uma nova versão do vídeo (veja abaixo), desta vez sem a cena que gerou o incômodo.

Vale lembrar que o vídeo da JBS não é uma peça isolada. Tanto a dona da Friboi, Swift e da Seara quanto a BRF (proprietária das marcas Sadia e Perdigão) deram início a campanhas de marketing agressivas na televisão, jornais e na internet. Tudo para tentar impedir que a operação da #Polícia Federal cause estragos ainda maiores às imagens das marcas.

Vale ressaltar que o Brasil é um dos maiores exportadores de carne do mundo, e não só as empresas, mas o próprio governo brasileiro, está empenhado em reverter a situação. Afinal, não restam dúvidas de que um escândalo dessa magnitude pode ter efeitos extremamente negativos na economia do país.