Um jovem foi preso pelas autoridades na sexta-feira (3), em sua residência localizada na Zona 7, na cidade de Umuarama, no Paraná (PR). O jovem de 18 anos, cujo nome não foi revelado pela polícia por motivos óbvios, é o principal suspeito de ter assassinado o pastor evangélico identificado como Augusto Rodolfo Riss, de 54 anos, com quem tinha um relacionamento amoroso. O #Crime aconteceu na quarta-feira (15) de fevereiro, no Bosque do Índio, localizado na área central da cidade.

Conforme informações repassadas pela polícia, o corpo do pastor só foi localizado dois dias após o assassinato. O corpo da vítima apresentava vários sinais de espancamento.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com a polícia, o acusado teve ajuda de um adolescente para cometer o homicídio, após um desentendimento entre o pastor e o acusado. Segundo a polícia, os suspeitos deram vários chutes, socos e murros e, como se não o bastasse, ainda deram várias pedradas no pastor.

Após um excelente trabalho dos investigadores da polícia da cidade, o acusado foi identificado, em seguida, foi pedido um mandado de prisão preventiva contra o mesmo. Com o mandado de prisão em mãos, uma viatura de polícia se deslocou até a residência do jovem, que foi preso e encaminhado para a delegacia da cidade. Conforme informações do delegado Osnildo Carneiro Lemes, titular da 7ª SDP, em seu depoimento, o jovem confessou ser o autor do homicídio.

Segundo o delegado Osnildo, o rapaz tinha um caso amoroso com a vítima há mais de dois anos.

Publicidade

Os encontros aconteciam sempre que o pastor vinha de São Paulo (SP) para Umuarama visitar seus familiares. O jovem prestou o seu depoimento, em seguida, foi encaminhado para uma cadeia da cidade.

Também conforme o delegado Osnildo, o jovem vai responder pelo crime de homicídio qualificado e, caso seja condenado pela Justiça, pode pegar até trinta anos de cadeia. O adolescente envolvido no homicídio também prestou depoimento na delegacia da cidade e em seguida foi liberado. Ele responderá pelo crime em liberdade. #Religião #Casos de polícia