No mês passado, o goleiro Bruno Fernandes foi libertado da prisão após uma decisão provisória do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello. O atleta foi condenado pela #Justiça a cumprir 22 anos e 3 meses de detenção pelo assassinato da ex-modelo Elisa Samudio, com a qual teve um filho, também chamado Bruno.

A mãe de Elisa, Sônia de Fátima Marcelo da Silva de Moura, solicitou a revogação da decisão do ministro, que rejeitou o recurso apresentado por ela. A decisão de soltura do goleiro foi dada de forma exclusiva por Marco Aurélio e ainda será analisada por um grupo do STF contendo cinco membros. No entanto, a Procuradoria Geral da República irá se manifestar sobre o caso antes disso.

Publicidade
Publicidade

Para Sônia, que afirma que Bruno é uma “pessoa fria, violenta e dissimulada”, a libertação do possível assassino de sua filha coloca em risco não só a sua própria vida, como também a do neto, já que ainda segundo a mulher, Bruno “foge dos padrões mínimos de normalidade”.

Em trecho apresentado contra o habeas corpus dado pelo ministro, é dito que Bruno já manifestou interesse em pôr as mãos na criança que teve com Elisa, e que a mãe da vítima e avó do menino teme que ela e seu neto possam sofrer com o mesmo fim trágico.

Enquanto a decisão final não sai, Bruno responderá ao restante do processo em liberdade. O goleiro inclusive já está acertado com o Boa Esporte e deverá atuar pela equipe nas competições deste ano, que incluem o Campeonato Mineiro e o Campeonato Brasileiro Série B. Quando foi acusado, Bruno era goleiro titular do #Flamengo.

Publicidade

Sua contratação pela equipe mineira já vem repercutindo de forma negativa, já que o clube perdeu patrocínios em decorrência desta ação.

O crime pelo qual Bruno é processado envolve o desaparecimento e possível assassinato de Elisa Samudio em 2010, à época, com 25 anos de idade. O corpo da ex-modelo nunca foi encontrado e Bruno não quis reconhecer a paternidade do menino na ocasião.

Qual a sua opinião sobre o caso? Você é a favor da decisão do ministro? Comente a seguir!