Na noite deste último sábado (04), uma policial conseguiu se livrar de um assalto e ainda coagir dois homens que a abordaram, em Maringá, no norte do Paraná. A agente da Polícia Militar é Daniela Arouca, de 35 anos, e saía de uma igreja quando foi parada por dois homens que estavam em uma motocicleta.

O que eles não esperavam é que a mulher trabalhasse na polícia há mais de dez anos e que fosse uma lutadora de jiu-jitsu. Um dos criminosos disse na ocasião do assalto que estava armado, mas em nenhum momento teria realmente apontado a arma para Daniela.

Essa teria sido a deixa para que a agente se sentisse segura para sacar a arma que carregava na cintura e apontar para os criminosos.

Publicidade
Publicidade

Ela portava uma pistola ponto quarenta, e com ela em mãos teria pedido para que os assaltantes se rendessem. Um dos bandidos ficou com medo e conseguiu fugir, o outro foi segurado pela soldado que o imobilizou com um golpe.

Ele ainda teria tentado tirar a arma de fogo da mesma, quando um disparo aconteceu atingindo o carro da vítima no pára-brisa. No entanto, depois de uma luta, a mulher teria conseguido dar uma chave de braço no criminoso momento em que ele desmaiou. Nesse instante, a agente conseguiu pedir por reforços, e outros colegas da polícia militar compareceram ao local para lavrar a ocorrência e prender o suspeito.

O que os dois homens não sabiam é que Daniela é campeã brasileira, sul-americana, européia e mundial da arte marcial, e que como policial tinha um preparo físico invejável.

Publicidade

No entanto, a sorte da agente é que os bandidos não estavam armados, uma vez que uma troca de tiros poderia ter acontecido, podendo cursar com feridos.

Felizmente nada disso aconteceu, e os criminosos receberam sua lição. Ao chegar até a delegacia para depoimento, o criminoso disse aos outros agentes que não imaginava que a mulher fosse policial, e muito menos que ela lutasse como lutou. Ele seria um jovem, de apenas 18 anos, foi identificado e se descobriu que o mesmo mora no bairro Jardim São Francisco. Depois de preso, o criminoso chegou a dizer que sentiu medo de morrer nas mãos da policial.

#Crime #Casos de polícia