Nessa semana, um crime ganhou grande repercussão na internet. Na segunda-feira, 20, uma menor, de apenas 17 anos, foi espancada de maneira violenta. A jovem, que não pode ter o nome revelado por conta da investigação e por ter menos de 18 anos de idade, apanhou até sangrar. Os traficantes da comunidade onde ela mora, o bairro Sítio Novo, na Cidade de Olinda, em Pernambuco, ainda cortaram seu cabelo com uma tesoura, fizeram ela colocar a mão no chão para essa ser esmurrada por um porrete e, em seguida, a obrigaram a ocorrer completamente pelada das ruas do local. O vídeo com o espancamento da jovem acabou vazando na internet e revoltou muita gente.

Nesta quinta-feira, 23, uma reviravolta no caso foi noticiada pela mídia.

Publicidade
Publicidade

Um acusado de bater na garota, identificado como Filipinho, acabou sendo preso. O nome do bandido, na verdade, é Felipe Henrique Matos, de 28 anos. A polícia informa que Felipinho é um dos homens que aparece no vídeo que foi divulgado na internet. Ele está com uma bermuda branca. Além disso, seria ele quem corta o cabelo da vítima com uma tesoura. Os investigadores da polícia de Pernambuco ainda informaram que o meliante já é conhecido por passagens anteriores na polícia e que já ficou detido por quase três anos. Após o flagrante gravado do novo #Crime, a expectativa é que ele passe mais um tempo na penitenciária.

Outros três bandidos foram identificado pela polícia, mas os investigadores ainda estão à sua procura. De acordo com informações do delegado do caso, Erivaldo Guerra, a apuração começou de maneira rápida, ainda no dia do espancamento.

Publicidade

O primeiro preso foi encontrado na casa de um parente, ainda em Olinda. Não se sabe se os demais suspeitos ainda estão em Olinda, ou se já foram deslocados para outras regiões dentro ou fora do estado.

Filipinho foi preso e encaminhado para a delegacia da cidade para prestar mais esclarecimento sobre o caso. Após o seu depoimento, foi autuado pela infração de perseguição e tortura. Caso condenado, ele pode pode ficar anos na detenção. #Investigação Criminal