O ano de 2016 ficou marcado pelos jogos olímpicos do Rio de Janeiro, mas também por um crime bárbaro. Uma garota, moradora da comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio de Janeiro, acabou sendo vítima de um estupro coletivo. Nas manchetes nacionais e internacionais, estava expresso que ela foi abusada sexualmente por mais de trinta homens. "Mas será que isso é possível?", questionavam muitos internautas. Um vídeo, que comprovaria o abuso, mostra alguns dos estupradores brincando com o corpo da vítima. Eles chegaram a dizer brincadeiras sobre a vagina da garota, que agora está sob o programa de proteção à testemunha da polícia e do governo. Ninguém sabe para onde ela foi ou o que aconteceu com ela.

Nesta semana, no entanto, o caso ganhou um novo capítulo, uma reviravolta.

Publicidade
Publicidade

Após quase um ano foragido, um dos homens acusados de violentar a jovem adolescente acabou sendo preso. A empreitada foi feita pela Polícia na região da Praça Seca, no Morro do Barão. O detido é Moisés Camilo Lucena. Curiosamente, a prisão nem aconteceu por esse #Crime em si, mas por ele ter assassinado um amigo. No entanto, ao levantar a ficha do rapaz, os agentes descobriram que ele era acusado de um crime famoso mundialmente. A barbaridade fez com que o Brasil virasse alvo de chacota em todo o planeta e Lucena era desde então procurado pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros do Rio de Janeiro.

O comparsa morto pelo homem que teria participado do estupro coletivo da menor no morro carioca também seria bandido. Ele seria um aliado do preso no comércio de drogas. O morto foi identificado como Leonardo Alcântara Lopes.

Publicidade

A morte aconteceu apenas quatro meses o abuso sexual com vários homens ter ocorrido. Na época do estupro, algumas pessoas chegaram a dizer que a menina já estava acostumada a fazer sexo com muitos homens e que a cada vez queria mais. Ela também aparecia em fotos online portando armas de fogo. O bandido detido pela polícia do Rio de Janeiro era mais conhecido como 'Canário' e já tinha prisão preventiva expedida, sendo um dos principais autores de atentados diferentes. #Investigação Criminal