Acusada de mandar matar o próprio filho, Alexandra Moura da Silva, 27 anos, procurou um advogado e se apresentou, nesta segunda-feira (27), em uma delegacia na cidade de #Camaçari, na #Bahia. Alexandra estava com o mandato de prisão decretado desde o mês de agosto de 2016, quando a polícia a indiciou como mandante da morte de Carlos Henrique Moura M dos Santos, na época com 7 anos, que foi morto afogado pelo namorado da avó de Carlos Henrique.

O homem, identificado como José Nilton Pereira da Silva, de 35 anos, foi preso dias após o crime e confessou o assassinato, sob a promessa de passar a noite com a mãe da criança. Ele também era suspeito de traficar drogas na região em que morava.

Publicidade
Publicidade

Ao chegar à delegacia, a mulher disse que jamais faria tal coisa com o seu próprio filho e garante que a verdade vai vir à tona. “Ele está mentindo, matou meu filho e agora quer me acusar de ter participação. Eu vim dar satisfação e não me entregar a polícia. Só não vim antes porque tenho outros filhos”, disse Alexandra.

De acordo com a polícia, Nilton disse que Alexandra fazia parte de uma quadrilha que vendia drogas na região. Para os policiais, não restam dúvidas que Alexandra, é a mandante do crime contra seu próprio filho.

Testemunhas afirmaram que Alexandra já teria tido em outra ocasião que tiraria a vida do filho, pois ele falava de mais e com medo de ser presa, planejou a morte da criança.

“Creio que vai ficar claro para a Justiça”, disse delegada titular da Delegacia Homicídios de Camaçari (DH/RMS), Maria Tereza, em relação à culpa da acusada.

Publicidade

A polícia informou que Alexandra irá fica presa temporariamente por 30 dias.

O crime

Carlos Henrique Maia Moura desapareceu quando brincava com colegas na rua em que morava em janeiro de 2015. Após o primeiro dia desaparecido, familiares fizeram cartazes a procura do garoto. No terceiro dia, o corpo de Henrique foi localizado boiando em um esgoto, no bairro da Bomba, em Camaçari.

A perícia informou que o corpo apresentava diversos arranhões. Na época do crime, o padrasto de Henrique foi apontado como autor do assassinato, chegou a ficar preso, mas foi solto dias depois com a prova de sua inocência no caso. #homicídio