Uma mulher, que preferimos não identificar o nome por questões judiciais, está sendo procurada por um motivo bárbaro. Ela é acusada de usar drogas ilícitas e, em seguida, bater no filho. A última agressão da mãe irritou os avós, que denunciaram o caso no Facebook e também na polícia. A notícia foi dada em primeira mão pelo site 'Antigo Campo Grande'. A mulher teria batido em seu filho por usar sua maquiagem. Ela não gostou de ver o menino com o artigo que, frequentemente, é usado por meninas. O caso teria acontecido no bairro de Sepetiba, no Rio de Janeiro. O site que deu a notícia garante que a mãe está foragida e é procurada pela polícia.

Mulher estaria foragida

Ela teria fugido após bater no menino maquiado.

Publicidade
Publicidade

A família dela diz que ela pode ter se "refugiado em Realengo". Na internet, moradores prometem um acerto de contas com a mulher. "Essa criatura demoníaca merece levar uma surra. Se eu vejo uma coisa dessas meto a mão ma cara", disse um internauta que comentou a notícia. Os avós da criança já teriam registrado o caso em uma delegacia. Caso a mulher seja realmente considerada culpada, ela pode pegar de dois a oito anos de detenção, já que cometeu uma agressão com uma pessoa que não pode se defender.

Crime pode ser de homofobia

Apesar de ter sido severamente agredido, o menino não corre qualquer risco de morte. O abalo dele é emocional. A mãe teria batido na criança porque acreditava que assim "impediria" ele de ser homossexual. É comum, no entanto, crianças brincarem com coisas de adulto, sem que, necessariamente, isso expresse a sexualidade delas.

Publicidade

"Nossa, mesmo que ele seja gay, a mãe deveria apoiar a criança e não espancar. Ele vai crescer revoltado da vida, isso sim", disse uma internauta.

Interação com os internautas da Blasting News

Na sua opinião, o que a mulher fez é condenável? O que ela merece, caso o ato realmente seja comprovado? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas importantes para a sociedade. #Crime