Uma mulher foi presa pela polícia em flagrante acusada de assassinado, na tarde de sábado (4), na cidade de #Palmas, no Tocantins. A acusada foi identificada como Taynara Siel Lemos, de 20 anos. Para a polícia, ela é a principal suspeita de ter assassinado asfixiado filho de 1 mês de idade com cocaína. A vítima foi identificada como Davi Emanuel, mas ainda não tinha sido registrado pela mãe.

Segundo informações repassadas pela delegada Jaqueline Coimbra, a acusada relatou que na madrugada de sábado teria ingerido bebidas alcoólicas e feito uso de cocaína. Ainda de acordo com a delegada, a polícia suspeita que a mulher tenha dado a droga para o bebê.

Publicidade
Publicidade

Jaqueline Coimbra relatou que a criança foi encontrada com o nariz inchado, que é um forte indício de uso de entorpecente.

Diante da situação, a delegada pediu para que seja feito exames toxicológicos no garotinho. A jovem foi presa na tarde de sábado em uma residência localizada no bairro Aureny III, na Zona Sul de Palmas. Entretanto, a jovem moradora da cidade de Gurupi, ao Sul de Tocantins, mas estava na capital a passeio para visitar o pai da vítima, que está preso em uma penitenciária da cidade.

Conforme informações que consta em depoimento, ela relatou para a polícia que não conseguiu ver o pai da criança e ia volta para Gurupi. Durante a madrugada, Taynara teria ingerido bebidas e feito uso de drogas com outra mulher. Quando acordou, ela encontrou o bebê já sem vida.

Segundo a acusada, foi um acidente e nega ter dado entorpecente para a criança.

Publicidade

Após o seu depoimento, ela foi autuada em flagrante por homicídio doloso (sem intenção de matar).

Em seguida, Taynara Siel Lemos foi encaminhada para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade, onde passou por exames de corpo de delito. Em seguida, foi levada para uma cadeia feminina da cidade.

Conforme informações da polícia, a jovem tem registro de aborto e passagem pela polícia por roubo. Como previsto na lei, a Polícia Civil cidade abriu inquérito e o caso está sendo investigado. #Investigação Criminal #Casos de polícia