Um ex-policial militar foi morto por um tiro de espingarda após bater em sua companheira no último dia 1º, em um sítio localizado na área rural de Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

Segundo a Polícia Civil, José Geraldo Ribeiro, de 49 anos de idade, teve uma crise de ciúmes da esposa, com quem vivia há quatro anos, e decidiu bater nela. O filho da moça, de apenas 11 anos, pegou a espingarda para defender a mãe. O policial tentou tirar a arma das mãos do garoto, que teria caído com a espingarda em punho. Com o impacto da queda, a arma, de calibre .38, disparou e acertou em cheio o ex-policial.

Os três moravam no sítio onde a confusão ocorreu.

Publicidade
Publicidade

Os filhos do primeiro casamento de José estiveram no local na manhã seguinte ao crime e, indignados, disseram que não aceitam a versão dada pela polícia. Mas o delegado que investiga o caso disse que não há contradições entre o depoimento dado pela mulher de José e pelo enteado diante do cenário encontrado no local do #Crime.

O caseiro do sítio, que toma conta do pesqueiro, estava dormindo quando tudo aconteceu e diz que não ouviu nenhum barulho estranho. Quando acordou viu o local deserto, com pertences e veículos deixados pelos frequentadores.

A espingarda que matou José foi apreendida e está com a polícia. Peritos também fizeram testes residuográficos, que reforçam a versão sustentada por mãe e filho.

“Acidentalmente o menino, filho da esposa, acabou sendo agredido pela vítima que tentava puxar a arma para si, quando caiu no chão e houve o disparo”, disse o delegado Haroldo Chaud.

Publicidade

José morreu no local e nem chegou a ser socorrido para uma unidade hospitalar. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal da cidade.

Os parentes do ex-policial acham estranho que com sua experiência de mais de 20 anos na polícia ele não tenha conseguido desarmar um garoto de 11 anos. Eles acreditam que o crime teria tido a participação de um casal que estava no pesqueiro na hora da confusão e que fugiu deixando a motocicleta e o aparelho celular no estabelecimento.

#Casos de polícia