Uma mulher acabou sendo presa nessa semana por um crime bárbaro. O vídeo com ela arrastando um filhote de cachorro acabou viralizando na internet. As imagens, por serem fortes, acabaram sendo excluídas, mais tarde, de diversas redes sociais. No vídeo, uma cadela filhote é arrastada em Belém, no estado do Pará. De acordo com informações do jornal 'Extra', a situação foi flagrada no fim de semana. Uma testemunha, que viu tudo na rua, fez questão de denunciar os maus tratos. Muita gente ficou revoltada com o que aconteceu. Isso porque mesmo com gritos, a mulher continuava a arrastar a cadela bebê com sua motocicleta.

A gravação polêmica mostra a mulher em sua motocicleta, do tipo elétrico.

Publicidade
Publicidade

Ela acorrentou o animal pela coleira e decidiu fazer a sessão de tortura no meio da rua. Obviamente, que conforme a moto ficava mais rápida, menos o animal conseguia acompanhar o veículo de duas rodas. Em dado momento, o cachorro acaba caindo e arrastado por muito tempo. Uma pessoa começa a perseguir a mulher de carro e manda ela parar. No entanto, a motociclista não atende aos pedidos e continua a realizar o movimento de tortura.

Uma testemunha do caso, de apenas vinte anos, estava no carro que tentava parar a mulher. MIllena Isis conversou com o Extra e informou que o filhote de cachorro acabou ficando ferido com a tortura explícita. "Eu e um amigo estávamos de passagem pelo lugar, voltando de uma feira, quando a vimos arrastando a cachorrinha. A filho cansou, então, foi arrastada", disse ela ao jornal carioca.

Publicidade

Após a cena, populares cercaram a mulher e a impediram de continuar arrastando o cão. Ela então pegou o bicho todo machucado e levou consigo.

Mais tarde, os moradores decidiram abrir uma queixa contra a vizinha. O castigo dela foi rápido. A mulher foi detida e nas redes sociais há quem brinque dizendo que ela foi para a "cachocinha" de gente. Você acha que a mulher merece ter passado por tudo o que ocorreu? Deixe seu comentário. Ele é sempre importante e ajuda no diálogo de temas relevantes. #Crime