No último fim de semana, um caso chocou o Agreste de Alagoas. Uma mulher atacou uma mãe e seu filho bebê com soda cáustica. Após realizar o ato cruel, a mulher que seria uma professora, teria sido espancada. Chamaremos a acusada apelas pelo seu primeiro nome Ana. A professora foi linchada por populares, que ficaram revoltadas ao saberem da violência contra o bebê. Ela apanhou até à morte. O #Crime ocorreu no sábado, 11, mas apenas agora foi noticiado pela mídia local. A professora, segundo informações do site 'Cada Minuto', possuía problemas mentais e tomava remédios tarja preta. No entanto, nos últimos tempos, por problemas financeiros, ela não estaria fazendo uso do remédio.

Ela estava em crise, quando viu a mãe e o bebê passando pela Travessa Moreira Lima, no Centro de Anadia.

Publicidade
Publicidade

Mesmo sabendo que a mulher sofria de "loucura", os populares começaram a bater nela. A mulher então apanhou muito. Até após cair no chão, ela foi socada e chutada. Segundo testemunhas, apenas depois que Ana desfaleceu, ela foi levada para um hospital. No entanto, já era tarde e ela veio a falecer devido aos graves ferimentos que tinha pelo corpo. O bebê e sua mãe, agredidos pela professora, segundo o 'Cada Minuto', sofreram queimaduras graves por causa do contato da soda cáustica com a pele.

A criança teria sido a mais afetada. Ela teve parte do rosto e da boca muito machucada. A mãe também ficou muito queimada e preocupada que o pior pudesse acontecer com seu filho. Os dois, que não podiam prever tamanho ataque, foram levados para uma Unidade de Emergência da região, onde foram medicados.

Publicidade

A polícia ainda não sabe o que teria feito a mulher, fora de si, a agredir exatamente aquelas duas professoras. A mãe e a criança que não tiveram as identidades reveladas foram levados para uma delegacia, onde prestaram depoimento. A mulher diz que não conhecia a agressora, tampouco porque foi atacada daquela maneira no meio da rua.

Nunca deve-se fazer justiça com as próprias mãos. Os agressores da professora podem pagar pelo crime contra ela. #Investigação Criminal