A policia militar de Campinas, São Paulo, prendeu na noite desta terça-feira (21) um homem suspeito de manter a companheira em cárcere privado por um mês.

O sujeito a mantinha presa em um apartamento no bairro Jardim Santa Clara do Lago. Após serem acionados por uma denúncia anônima, os agentes se depararam com um cenário lamentável.

Além de ter sinais no corpo de agressão física, os policiais souberam que o namorado a dopava no apartamento do casal.

Quando os policiais bateram na residência, o próprio suspeito foi quem atendeu a porta. Os militares relataram que entraram e fizeram buscas no imóvel para encontrar a vítima.

Publicidade
Publicidade

O suspeito não ofereceu resistência.

Além de libertá-la eles encontraram um revólver calibre 38, além de pedaços de madeira afiados, uma faca usada como instrumento de ameaça. Os policiais ainda apreenderam medicamentos que ajudavam a deixar a jovem dopada e sem condições de tentar fugir.

Para as autoridades a mulher contou no momento em que foi libertada que estava naquelas condições há cerca de 30 dias. Disse também que sofreu torturas físicas e psicológicas. Provas que corroboram essa afirmação foram colhidas. Entre elas, está um papel onde a vítima foi obrigada a escrever seguidas vezes que nunca mais fugiria ou trairia seu “marido”.

O nome do suspeito não foi divulgado. Ele foi preso em flagrante e encaminhado na mesma hora para prestar depoimento. No distrito policial, diante do delegado de plantão, ele alegou que manteve a moça presa porque ela era uma dependente química.

Publicidade

Ainda segundo os argumentos, o agressor tinha receio de que ela fugisse para utilizar crack nas ruas.

O homem permanece detido e já foi autuado por cárcere privado e responderá também por agressão e porte ilegal de arma.

Depois de ser resgatada, a vítima recebeu os primeiros atendimentos médicos e em seguida foi levada para a 2ª Delegacia Seccional de Campinas, onde prestou depoimento.

Não foram divulgadas informações sobre quanto tempo mantinham algum tipo de vínculo amoroso.

Assista ao vídeo:

#Crime #Casos de polícia