O país gigante da América Latina, que é o #Brasil, atravessa o seu pior momento político e econômico que se tem conhecimento e, obviamente, com esse contexto totalmente adverso em que estão mergulhados os brasileiros e quem mais por aqui vive, se traduz em uma série de acontecimentos que prejudicam a todos sem distinção, independente, por exemplo, da inclinação política de cada indivíduo na sociedade pluralista brasileira.

Fato é que "a bola da vez" é um grave problema de saúde, que vem acometendo centenas de pessoas até o presente momento. Trata-se da doença da febre amarela, cuja incidência de casos tem levado algumas nações a impor que os viajantes oriundos do Brasil portem o certificado de que se vacinaram contra a patologia, no momento em que chegam às nações de destino.

Publicidade
Publicidade

Tais informações, lamentavelmente, são oficiais e foram anunciadas pelo próprio Ministério da Saúde na última sexta-feira (24), diante do pior surto de #Febre Amarela das últimas décadas.

A situação já ligou o alerta vermelho, pois, de acordo com os funcionários da pasta em questão, Equador, Panamá, Nicarágua, Venezuela, Cuba e Costa Rica estão pedindo, de forma oficial, que os visitantes e turistas em geral, provenientes do Brasil, estejam munidos do conhecido certificado internacional de vacinação contra febre amarela, assim que desembarcarem em seus territórios específicos.

De verdade a situação não está para brincadeira, uma vez que, de acordo com os últimos dados numéricos colhidos e liberados pelo Ministério da Saúde, foi constatado que houve a ocorrência de 449 casos de febre amarela registrados no espaço geográfico do país, acompanhados da morte de 144 pessoas acometidas pela #Doença.

Publicidade

Vale frisar para os mais desavisados ou desconhecedores, que os sintomas físicos mais corriqueiros da febre amarela são: vômitos, febre, dor nas articulações e, em muitas ocasiões, o doente apresenta icterícia, caracterizada pelos olhos e pele amarelados, daí o nome da patologia.

A pergunta que não quer se calar é: quando o país controlará novamente a incidência deste surto tão comprometedor e, principalmente, quando toda a situação econômica e política da nação voltará a ter o equilíbrio necessário, visando o crescimento como um todo do Brasil e da segurança do seu povo?