Um homem foi preso acusado de compartilhar um vídeo de estupro coletivo que aconteceu em Porto Alegre, Capital do Rio Grande do Sul. O vídeo está sendo compartilhado através do aplicativo WhatsApp e viralizou em grupos de sexo. A prisão do homem, que tem apenas 19 anos, ocorreu nesta sexta-feira, 3. A polícia não identificou o nome do rapaz. Além de divulgar o conteúdo, o meliante teria gravado as cenas, que ocorreram contra uma menina de 13 anos. Além da menina e do homem que filma a cena, outros dois menores aparecem nas imagens. Ainda não se sabe se o rapaz chegou a transar com a garota. Mesmo que a ação da menina fosse consentida, como ela tem menos de 14 anos, a situação é considerada estupro, como prevê a legislação brasileira.

O estupro ocorreu na semana passada.

Publicidade
Publicidade

As imagens, rapidamente, viraram uma 'febre' online. Uma das pessoas que assistiu o conteúdo, no entanto, decidiu denunciar a situação. Além da investigação contra o homem de 19 anos, há também um inquérito que apura como os outros menores se envolveram na situação de estupro. Em entrevista ao portal de notícias G1, em reportagem publicada nesta sexta-feira, 3, a delegada Laura Rodrigues Lopes, do Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (DECA), contou que além da prisão, materiais foram apreendidos na casa do rapaz. O principal objetivo do mandato de busca e apreensão era encontrar o aparelho celular, que gravou os momentos de terror contra a menor de idade.

“A gente tinha mandado de busca e apreensão para conseguir os celulares. Na casa dele foi apreendido o celular dele e nós tínhamos também autorização judicial para verificar as mídias”, disse a delegada da importante entrevista que deu.

Publicidade

A profissional da justiça esclarece que a prisão ocorreu pela propagação do vídeo pornográfico, o que não significa que ainda haverá uma averiguação se o homem transou ou não com a garota de 13 anos. Para ela, as imagens gravadas pelo homem podem servir como provas contra ele. De qualquer forma, os inquéritos são diferentes. #Crime #Investigação Criminal