O delegado Mauricio Moscardi Grillo, na noite dessa quinta-feira (30), pediu um prazo de mais 15 dias para a conclusão e entrega do relatório da Operação ''#Carne Fraca''. O pedido foi protocolado no site da Justiça Federal.

Foi dado à PF o prazo de 30 dias para apresentar o relatório final - o prazo se iniciou no dia 17 de março quando a operação foi deflagrada. Agora cabe ao juiz Marcos Josegrei da Silva, aceitar ou não o pedido da prorrogação.

O delegado Mauricio disse que até o momento foram realizadas oitivas de setenta e nove conduzidos coercitivamente, de três presos preventivos e onze temporários. Agora de acordo com o delegado, só resta ouvir vinte e dois presos preventivos.

Publicidade
Publicidade

Além de André Baldissera, diretor da também investigada BRF, que foi solto mediante ao pagamento de fiança.

Ao requerer o prazo de 15 dias para a entrega do relatório, Mauricio argumentou dizendo que em razão dos conflitos apresentados entre as diversas declarações dos conduzidos, há a necessidade de reinquirição dos inúmeros investigados com a finalidade de esclarecer os fatos que irão ser incluídos no relatório final.

Ele também disse que precisa ser digitalizado todo material apreendido na operação, e comenta que mesmo com os incansáveis esforços da equipe de investigação, há a necessidade de abertura e digitalização de todo material apreendido referente a cento e noventa e cinco malotes.

A ''Carne Fraca'' já foi considerada a maior operação da PF quando se fala em números, já que soma 309 mandados, sendo 37 de prisão.

Publicidade

Do total, 36 suspeitos foram presos e apenas um continua foragido.

O esquema de fraude na comercialização e na produção de carne, além dos fiscais e produtores corruptos, a investigação também descobriu o indício de que carnes estragadas e vencidas estavam sendo adulteradas para novamente serem comercializadas, pondo assim a saúde de milhões de consumidores em risco. Das vinte e uma fábricas, dezoito estão localizadas no Paraná.

A PF já ordenou o recall de quatro das investigadas dos supermercados e açougues de todo o país. #Polêmica #Polícia Federal