A manhã dessa sexta-feira (17) está sendo bem movimentada na Polícia Federal, afinal depois de 2 anos de investigações, foi deflagrada a operação "Carne Fraca", que tem como alvo grandes frigoríficos brasileiros, entre eles Seara, BRF e JBS.

Publicidade

Nessa operação a Justiça Federal do Paraná já solicitou o bloqueio de cerca de 1 bilhão de reais das empesas investigadas.

A Carne Fraca tem como objetivo e foco principal realizar a desarticulação de uma provável organização criminosa, que envolve funcionários públicos ligados a fiscalização de produtos agropecuários do Ministério da Agricultura e as empresas investigadas, onde através do pagamento de propina por parte dos frigoríficos, os fiscais acabavam emitindo certificados sanitários sem a devida fiscalização, o que acabava facilitando a produção e comercialização de produtos adulterados..

Publicidade

Carne podre

Segundo informações divulgadas ainda nesta manhã de sexta-feira (17), durante a investigação, foi descoberto inclusive que alguns frigoríficos comercializavam inclusive carnes podres, e para que pudessem ser vendidas, elas eram "maquiadas" com ácido ascórbico, além dessa questão a investigação também revelou a venda de produtos já vencidos em novas embalagens com datas de fabricação e validades alterados.

Maior operação da história da Polícia Federal

Conforme informações divulgadas pela própria Polícia Federal, essa está sendo a maior operação da história já realizada pela instituição, uma vez que envolve mais de mil policiais federais de diferentes estados: Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

Ao todo nessa operação contra a fraude nas carnes, estão sendo cumpridos pela Polícia Federal 309 mandados judiciais, dos quais 27 são de prisão preventiva e outros 11 de prisão temporária, ainda na operação foram realizados 77 conduções coercitiva, onde a pessoa é levada para prestar depoimento e também 194 de busca e apreensão..

Publicidade

Está marcada para as 10 horas da manhã dessa sexta (17), uma entrevista coletiva no auditório da Superintendência de Policia Federal em Curitiba-PR onde a PF estará trazendo mais detalhes da operação e como o esquema funcionava. #Dinheiro #Corrupção