Na manhã desta quinta-feira, a #Polícia Federal, em uma ação conjunta com a Controladoria Geral de União (CGU), deflagraram a segunda etapa da Operação "História de pescador", que visa desarticular quadrilha que estaria envolvia em ações fraudulentas relacionadas à Superintendência da Pesca no Estado do Pará. A estimativa é de que o esquema tenha desviado cerca de R$ 10 milhões. Nesta fase, a PF busca cumprir sete mandados de busca e apreensão e três mandados de condução coercitiva, que ocorre quando a pessoa é conduzida apenas para prestar depoimento. Os mandados estão sendo cumpridos em Belém/PA e #Brasília/DF.

Em Brasília, um dos locais em que a PF foi cumprir buscas se tratava de um gabinete da #Câmara dos Deputados.

Publicidade
Publicidade

Segundo Rodrigo Maia, presidente da câmara, o principal alvo das buscas era uma funcionária que ocupa um "cargo de natureza especial", ou seja, um cargo comissionado dentro do gabinete de algum deputado. No gabinete foram apreendidos papéis, tablets e um computador. No entanto, não foi informado à qual parlamentar a funcionária era ligada.

Histórico da operação

A primeira fase desta operação foi deflagrada em 18 de maio de 2016, e teve como objetivo conferir irregularidades administrativas ocorridas no período entre 15/02/2016 e 14/03/2016. Segundo as investigações, durante este período cerca de 5.100 cadastros de pescadores foram incluídos no sistema informatizado geral da Atividade Pesqueira e outros sistemas relacionados, levantando assim a indicativa de uma possível fraude. Os números indicavam que a maioria das pessoas cadastradas não tinham a qualificação exigida para receber o seguro defeso, que se trata de um benefício concedido aos pescadores para as épocas em que a pesca é proibida.

Publicidade

Na época, a informação divulgada dava conta de que essas inclusões haviam sido feitas por cinco pessoas que, em tese, não tem vínculo com o órgão.

Após a primeira fase da operação, a Controladoria Geral da União iniciou uma auditoria para averiguar as irregularidades apontadas pela PF. Como resultado da auditoria, foi emitido um relatório, que serviu de base para a elaboração e execução dos mandados que estão sendo cumpridos nesta segunda fase.