Um caso está chocando a cidade de Ponta Grossa, no Paraná. Uma menina, de apenas onze anos de idade, acabou sendo estuprada por seu pai adotivo. O caso acabou ganhando repercussão nacional. De acordo com as primeiras informações, a menina foi morar com o homem depois que sua mãe faleceu. A estuprada teve uma vida difícil, já que a mãe pereceu durante seis anos com um câncer grave. Antes de falecer, a mãe da criança confiou em um casal de primos para cuidar da criança. Era um desses primos que realizava o ato sexual com a garota. Os abusos, segundo a menina, começaram logo depois que ela foi morar na casa dos parentes, quando ela tinha apenas oito anos de idade.

A identidade da vítima não foi revelada, mas quem descobriu que ela estava grávida foi a mulher do suspeito.

Publicidade
Publicidade

A esposa do estuprador começou a desconfiar que a menstruação da menina, que já havia virado mocinha, estava demorando muito para chegar. Como nesse período, as menstruações as vezes costumeiramente são desregradas, ela não deu tanto atenção, até ver que a barriga da menina não parava de crescer. Foi então que a mulher levou a garota ao médico e a desconfiança ficou evidente. Ela estava mesmo grávida e pior, de oito meses de gestação. A garota, em conversa particular com um médico, pediu socorro e disse que quem era o pai da criança era o pai adotivo dela.

O médico então chamou a mãe, que disse que não sabia de nada. De acordo com a menina, os estupros ocorriam quando a mãe adotiva não estava em seu lar. A polícia então decidiu fazer um teste de DNA e descobriu que o filho que a menor estava esperando era mesmo do homem.

Publicidade

Assim que a notícia foi revelada, a população tentou linchar o primo que a mãe que morreu com câncer tanto confiou. Eles chegaram a usar uma barra de ferro para bater no estuprador, mas não o feriram muito, pois a polícia já estava chegando para prendê-lo. Na delegacia, a esposa que disse não saber de nada ainda garantiu que, caso o marido tenha mesmo feito sexo com a filha adotiva, era porque ela se insinuava muito para ele. #Crime