Um vídeo tem circulado nas redes sociais desde esta sexta-feira (17) como exemplo da péssima conduta de um pai de aluna.

Segundo a postagem que divulgou o material visual, um pai teria dado o aval para a filha resolver algum tipo de pendência com outra estudante. Só que o aval foi para a questão ser resolvida no braço, ou seja, na base da violência.

A partir daí, os próprios alunos começam a filmar cenas que remontam aos tempos bárbaros em que tudo se resolvia na base da disputa corporal.

As imagens teriam sido registradas em frente à Escola Paulo Renato, localizada no bairro de Cosmos, no Rio de Janeiro. A pessoa que compartilhou explica que o pai da garota com cabelos avermelhados libera a menina e fica assistindo ele brigar com outra.

Publicidade
Publicidade

Porém, no momento em que observa que a filha está levando a pior, entra no meio e separa as duas. Depois leva a garota para o carro.

No início do vídeo a menina aparece andando em direção a outra. Elas se atracam e puxam muito os cabelos uma da outra. Até que caem no chão. No embate, a menina de cabelos ruivos enrolados acaba ficando em posição desfavorável. A adversária consegue sentar em cima, de forma a imobilizá-la para poder iniciar uma série de golpes, que envolvem tapas e socos na cara.

É nesse momento que um homem, apontado como o pai da menina que estava apanhando, aparece para retirar a outra de cima. Depois também é possível ver um outro adulto, com a camisa da seleção brasileira, ajudar a apartar a confusão.

Há muita euforia em volta. Uma outra adolescente aparece para puxar uma das envolvidas.

Publicidade

Meninos e meninas gritam muito e ficam perto para saber o desfecho da briga. A certa altura do vídeo é possível ouvir uma voz desesperada gritando “solta minha amiga”.

O pai então pega a menina ruiva e a ajuda a ir até o carro. O motivo da briga não foi informado nos posts que divulgaram os vídeos. Mas uma coisa é certa: independente das causas, as imagens são um péssimo exemplo para todos os adolescentes desta e de outras escolas, pois mostra que o diálogo perdeu para a insanidade e violência.

#Crime #Casos de polícia