A fobia de palhaços, também chamada de Coulrofobia, é uma doença psíquica que acomete algumas pessoas. Em alguns casos específicos, sua manifestação pode ter suas justificativas baseadas em fatos reais.

Em setembro de 2016, um homem que trabalhava como palhaço foi acusado de estuprar dois adolescentes em Blumenau, no Vale do Itajaí, Santa Catarina. Após as denúncias, houve inquérito policial e depois processo judicial que aponta a culpa de Márcio Ricardo da Silva, de 36 anos, pelos abusos cometidos.

Nesta segunda-feira (7) saiu a sentença. O palhaço foi condenado a 20 anos de detenção. A prisão inicialmente é em regime fechado.

Publicidade
Publicidade

Conforme consta nos autos, a denúncia foi feita pela mãe dos dois adolescentes. Ela procurou a polícia para contar que o palhaço teria dado carona aos filhos na volta da escola, um mês antes. A mãe ficou conhecendo e rapaz, sentiu pena de sua situação e acabou o ajudando, as vezes com um prato de comida, as vezes permitindo que ele pernoitasse na residência.

Nesse período, que durou cerca de um mês, a mãe de nada suspeitava. Ela contou aos policiais que só sabia que o suspeito chamava-se Kevin e que morava em um trailer, sem endereço fixo.

Quando o rapaz dormia na casa da família ele ocupava a mesma cama usada pelos adolescentes, já que a família era pobre e não tinha leitos individuais para todos. Era nesse momento que os abusos ocorriam, explicou o delegado responsável pelo caso, Henrique Stodieck Neto.

Publicidade

Os crimes só foram descobertos porque um dos menores pediu a uma vizinha que o ajudasse a expulsar o palhaço de casa. Ele, no entanto, não queria revelar o motivo dessa insatisfação. Depois de alguma insistência, ele acabou revelando o que estava acontecendo para a mãe. Só então o palhaço foi expulso.

A partir daí, com a denúncia formalizada, começaram as investigações para descobrir seu paradeiro. Em 23 de setembro, uma semana após a denúncia ser oficializada, o suspeito foi encontrado e preso em Belo Horizonte, quando se apresentava em uma escola pública na capital mineira. #Crime #Casos de polícia