O internauta Kelven Cardoso compartilhou um post com uma imagem e uma piada. Ele se divertiu e a intenção era fazer outras pessoas rirem também.

Mas o efeito foi contrário para muitos que sabem o teor destruidor que piadas carregadas de #Racismo contém. A imagem foi compartilhada por ele de um outro perfil. Nela havia uma foto de uma arma apontada para uma criança negra com expressão de medo. A foto por si só já é repleta de conteúdo perverso, pois mostra a intenção do extermínio de crianças e, sobretudo, de crianças negras do sexo feminino. Sabemos que mulheres negras são atualmente as maiores vítimas de preconceito e de violência física e psicológica na nossa sociedade.

Publicidade
Publicidade

Como se não bastasse a imagem, no post de Kelven tinha também a frase. Esta, em forma de piada, diz muito sobre o tipo de racismo que é praticado no Brasil. Ilustra aquele racismo que é disfarçado de humor, mas que é tão ofensivo como qualquer outra frase preconceituosa dita em contexto diferente.

A frase associa a menina negra a um pedaço de carvão. Carvão que seria obtido por meio de um assassinato (por isso a arma) e para um fim ironicamente ainda mais constrangedor: um churrasco. Sabemos que churrascos ocorrem como uma espécie de celebração. É um evento de domingo ou de outras ocasiões especiais para muitas famílias brasileiras. Este churrasco em especial, se fosse materializado, celebraria mais uma vítima do racismo.

Não por acaso, os ativistas contra o racismo e contra o extermínio feminino (a maioria das mortes violentas de mulheres ocorre entre negras) gostam de repetir a frase retirada de uma música interpretada pela cantora Elza Soares.

Publicidade

A frase é literal: “a carne mais barata do mercado é a carne negra”. Elza também é uma ativista contra a violência doméstica e contra o racismo.

A julgar pelo post racista compartilhado por Kelven Cardoso, para ele e para os que se divertiram com a afirmação, a versão para a frase talvez possa ser adaptada. Ficaria então “a carne mais barata e mais apetitosa é a carne negra e infantil”.

E para quem acha que é muito barulho por uma piadinha inocente, os números mostram mais objetivamente a realidade de mulheres negras. Segundo estudo elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), com base no Mapa da Violência, os assassinatos de mulheres negras aumentaram 54% em 10 anos. No mesmo período (de 2003 a 2013), o número de homicídios de mulheres brancas caiu 9,8%. Coincidência?