Alguns detentos de uma penitenciária de Itapetininga, no estado de São Paulo, tiveram uma ideia muito ruim. Eles decidiram engolir alguns celulares com um único objetivo, não serem pegos pelos policiais. Eles achavam que engolindo os aparelhos, mais tarde, eles evacuariam tudo. Pior, que os aparelhos funcionariam e eles conseguiriam continuar fazendo as ligações, o que é proibido. Chamou a atenção o fato de que alguns aparelhos eram dos modelos 'Tijolões', ou seja, muito grandes. A situação ocorreu na penitenciária José de Almeida Bueno.

A situação dos detentos foi descoberta e os aparelhos celulares ficaram presos em seus estômagos.

Publicidade
Publicidade

O jeito foi apelas para a sabedoria da medicina e fazer uma cirurgia. Um vídeo enviado ao portal de notícias G1, o portal de notícias da Globo, pela Secretaria da Administração Penitenciária do Estado de São Paulo (SAP) exibe o exato instante que o cirurgião chega a fazer o procedimento para retirar o material curioso do estômago dos detentos. O vídeo foi divulgado nesta quinta-feira, 30. O procedimento aconteceu em um hospital público do município onde a penitenciária que abria os presos que fizeram o ato está, Itapetininga.

Segundo a Secretaria de Administração penitenciária, dois dos presos engoliram os celulares. A ideia era que eles, mais tarde, ou vomitassem, ou então evacuassem os aparelhos, utilizando eles novamente. Os guardas costumam fazer revistas nos presos e para não ficar sem os celulares eles tomaram a medida bastante errônea e que podia ser bastante prejudicial para a saúde deles.

Publicidade

No entanto, eles começaram a sentir dores, o celular não saiu nem pela boca, tampouco pelo ânus e foi necessário apelar para uma cirurgia.

Por conta do procedimento, os detentos seguem internados. Dessa forma, eles ficam livres de se contaminarem na cadeia e tem os cuidados médicos adequados. No entanto, segundo a secretaria que cuida dos penitenciários, assim que eles tiveram alta, vão ter que responder a um processo disciplinar. Segundo o G1, a SAP não informou se os seus detentos passam bem depois de tudo isso. #Crime #Investigação Criminal