A Secretaria Nacional do Consumidor (SENACON) determinou nesta quinta-feira, 23 de março, que os frigoríficos Souza Ramos, Transmeat e Peccin deverão recolher todos os seus produtos, tantos os que estão nos supermercados quanto os que já foram vendidos aos consumidores. De acordo com o órgão, as empresas tem até 5 dias para iniciar o processo de recolhimento.

Apesar de a investigação envolver 21 frigoríficos, apenas os 3 citados terão de fazer o recall. O frigorífico Peccin, que é suspeita de utilizar carne estragada em salsicha e linguiça, já teve duas unidades interditadas, Jaraguá do Sul (SC) e Curitiba (PR). O Ministério Público informou que a interdição à unidade de Curitiba foi realizada devido à "suspeita de risco à saúde pública ou adulteração".

Publicidade
Publicidade

Além disso, a empresa também é acusada de utilizar carne mecanicamente preparada acima do permitido e usar aditivos acima do limite ou aditivos proibidos.

Já a empresa Souza Ramos, que não teve nenhuma unidade interditada, é suspeita de ter substituído matéria-prima de peru por carne de aves, além da acusação de ter subornado fiscais. Já a Transmeat é investigada por ter adicionado quantidade acima do permitido de água no frango.

Confira trecho da nota da Senacon:

"Diante dos fatos, em 23 de março, a Senacon determinou que Souza Ramos, Transmeat e Peccin iniciem em até 5 dias o recall das carnes provenientes dos estabelecimentos mencionados. Todos os produtos com origem naqueles estabelecimentos devem ser recolhidos, com o devido reembolso ao consumidor, daquilo que for por ele restituído aos pontos de venda."

Desde a divulgação da operação pela PF, dia 17 de março, a Senacon já abriu o procedimento para apurar os fatos, notificando as empresas JBS, BRF, Pessin, Larissa, Mastercarnes e Souza Ramos.

Publicidade

Como o consumidor deve proceder?

A Senacon destaca que o consumidor que tiver adquirido carnes produzidas ou comercializadas por qualquer uma das empresas investigadas deve procurar os canais da própria empresa, que deverá lhe fornecer informações claras e precisas sobre a qualidade do produto. Caso o consumidor não consiga atendimento adequado, ou caso continue com dúvidas após o atendimento, deverá procurar o órgão de defesa do consumidor mais próximo para receber orientação sobre como proceder ou como oficializar denúncia ou reclamação contra a empresa. #Mercado #Brasil #Carne Fraca