Um coronel da Polícia Militar desabafou na internet contra a cobertura de uma emissora da Rede Globo sobre uma notícia que envolveu a morte de um policial militar. O texto viralizou e acabou conseguindo com que os jornalistas acusados de ofender a categoria se retratassem ao vivo.

O Coronel Figueiredo, responsável pelo Comando de Policiamento do Interior (CPI-3), na região de Ribeirão Preto, escreveu nas redes sociais que a maneira como a notícia foi retratada causou indignação.

O problema foi a maneira com que a apresentadora narrou um dos aspectos da notícia veiculada sobre o assalto a um carro forte na estrada vicinal que liga Jaboticabal à cidade de Barrinha.

Publicidade
Publicidade

A ocorrência acabou culminando com a morte do soldado Erick Henrique e a apresentadora teria insinuado que a morte do policial militar teria sido responsabilidade dele próprio, já que, de acordo com ela, os bandidos "não tinham a intenção de matar ninguém, pois tinham poupado a vida dos vigilantes".

O comentário, para o coronel Figueiredo, foi em tom irônico e ofendeu profundamente toda a corporação, em especial os pais, a noiva e os familiares do soldado que morreu como um “herói”, no último dia 13.

O militar ainda ressaltou que atitude da EPTV Ribeirão foi lamentável para uma empresa que prega “padrão de qualidade” na hora de levar os fatos à população.

Ressaltou ainda que o desrespeito da emissora em relação ao único segmento da sociedade que expõe a vida de seus integrantes a riscos na defesa de quem sequer conhecem merece indignação.

Publicidade

E finalizou registrando seu repúdio à empresa em nome dos quase 4 mil policiais que atuam no CPI-3.

O vídeo com a #Retratação também se espalhou pelas redes sociais. Nele a apresentadora pede desculpas, diz que errou na maneira com que conduziu o assunto e disse que não houve intenção de ofender a categoria militar. “A nossa postura sempre foi e sempre vai ser de respeito à Polícia Militar, então nós lamentamos que a forma com que demos a notícia tenha tido esta interpretação e pedimos desculpas”.