O laudo da necrópsia emitido pelo Instituto Médico-Legal (IML) concluiu que o menino João Victor Souza de Carvalho, 13 , morreu por causa do uso de lança-perfume. O #garoto morreu no domingo, 26. A suspeita inicial era que o menino teria falecido por uma possível agressão de seguranças do #Habib´s.

O policiais do 28º Distrito Policial (Freguesia do Ó) agora irão analisar o laudo e concluir o inquérito. Entretanto a principal linha de investigação, a agressão dos seguranças como causa da #Morte, fica mais frágil e pode ser descartada.

A alegação dos suspeitos sempre foi que o garoto ameaçava clientes do restaurante com um pedaço de pau.

Publicidade
Publicidade

Os seguranças então agiram para coibir a ação do garoto e ao correrem atrás do menino, ele teve um mal súbito e caiu. Mesmo assim foi socorrido imediatamente.

Já duas testemunhas, uma catadoras de material reciclável e um motorista que assistiram a cena deram outra versão. Eles afirmaram que o garoto foi agredido pelos seguranças. O Habib´s desde o ocorrido, afastou os dois funcionários e tem auxiliado nas investigações.

Caso os policiais confirmem que não há sinais de agressão no laudo, não haverá nenhum indiciamento contra a rede de restaurante nem contra os suspeitos, os dois seguranças.

Os testemunhos

A testemunha Silvia Helena Troti, de 59 anos, catadora de recicláveis, afirmou que viu um homem "forte, gordo" deu um soco na cabeça do menino. Um outro, "alto e magro" puxou o menino pela gola e o arrastou.

Publicidade

No caminho, o garoto começou a espumar pela boca. Nesse momento ele já estava desacordado. Um tempo depois chegou a polícia e o corpo de bombeiros para socorrer. Silvia disse que tentou dar sua palavra aos policiais, mas eles a julgaram "nóia" e desprezaram a testemunha.

Os pais do garoto se limitaram a informar que ele pedia esmolas na região, mas sem o consentimento dos pais.

Os gerentes da rede de restaurantes afirmam que o menino estava portanto um pedaço de pau e ameaçando os clientes. O garoto chegou a lançar pedras contra os carros que passavam e em um dos funcionários da loja. Quando então foi abordado, ele saiu correndo e caiu por conta do mal súbito.

Os seguranças nem chegaram a ser ouvidos pelos policiais.

A rede de restaurantes afirmou não ter as imagens, mas uma das câmeras de rua flagrou alguns momentos. Confere. Comente também o resultado do laudo. O que você achou?