Um crime chamou a atenção do Brasil nos últimos tempos. Um adolescente, de 13 anos, morreu logo após levar uma supsota surra de seguranças de uma unidade do Habib's, na Zona Norte de São Paulo. Acreditava-se que as pancadas levadas pela criança, que foi vista arrastada em um vídeo, poderiam ser a causa principal para o falecimento. No entanto, nesta terça-feira, 7, como mostra uma reportagem do site da Revista Veja, a Polícia Civil da maior cidade do país divulgou o laudo oficial sobre a morte do menino João Victor Souza de Carvalho, que ficou mais conhecido como "Menino do Habib's". De acordo com o laudo, João Victor morreu por uma parada cardiorrespiratória.

Publicidade
Publicidade

O laudo indica que a criança faleceu pelo uso exagerado de substâncias análogas a cocaína e também lança-perfume.

O menino, ainda segundo o documento, morreu subitamente, graças à uma parada de seu coração. O órgão teria entrado em "pane" após o uso das substância ilícitas. A perícia cadavérica ainda nega que existam sinais hemorrágicos na parte cervical do corpo da criança. O exame ainda indica que a cabeça do menor não tinha qualquer fratura e que ele morreu por hipertrofia do coração. O exame de sangue localizou cocaína no corpo do menino. Outras substâncias, como clorofórmio, também foram achadas. Todos esses itens teriam capacidade de gerar o que houve com o coração do menino. A polícia explica que essas substâncias estão presentes em lança-perfumes. O documento, segundo a Veja, é assinado pelo legista Danilo Vendrame.

Publicidade

Desde a morte do menino, a unidade do Habib's onde a situação ocorre passa por um movimento de boicote. A ação negativa chegou a fechar a loja por alguns dias. A polícia afasta agora totalmente a hipótese do menino ter sido espancado. Isso acaba provocando uma tremenda reviravolta no caso. Além do vídeo com o menino sendo arrastado, um motorista e uma catadora de materiais recicláveis informam que viram a agressão. "O laudo é categórico ao dizer que não houve agressão”, revelou o delegado que está à frente das investigações. #Crime