Nesta sexta-feira, 31, uma reviravolta aconteceu contra os policiais que atiraram em dois homens na comunidade de Acari, na Zona Norte do Rio de Janeiro. De acordo com informações do portal de notícias G1, os PMs, após a divulgação de um polêmico vídeo, acabaram sendo presos. De acordo com Ivan Braz, Porta-voz da Polícia Militar do Rio de Janeiro, ambos homens foram presos por homicídio qualificado. A prisão aconteceu em flagrante. O vídeo, que pode ser visto ao final dessa reportagem, abriu uma polêmica- sem precedentes - sobre a atuação da PM do Rio de Janeiro. As imagens exibem os servidores públicos da segurança atirando contra homens que já estavam jogados no chão e, aparentemente, não estavam armados.

Publicidade
Publicidade

Atuação oficial da PM gera dúvidas

O flagrante foi feito por moradores, cansados da forma como os agentes estavam agindo. Os dois homens foram mortos próximo à uma escola em Fazenda Botafogo. O vídeo deixa claro que, antes que os policiais atirassem mais uma vez, os homens estavam vivos. Os PMs utilizam seus fuzis para atirar contra os suspeitos. Ainda ontem, a polícia do Rio de Janeiro avaliava as imagens, que acabaram tomando conta do noticiário nacional. Antes do vídeo se espalhar, a assessoria da Polícia Militar havia revelado que acontecia uma operação no bairro onde o flagrante foi feito.

Na nota divulgada ao G1 na quinta, a polícia fala em homens feridos e uma estudante morta. A garota foi identificada como Maria Eduarda, de apenas treze anos. Após o vídeo ser revelado, a PM decidiu tomar uma atitude.

Publicidade

Ontem, a corporação informava que ainda apurava o assunto e a ilegalidade nos atos de seus agentes. Horas depois a prisão foi confirmada.

Veja abaixo o vídeo que mostra o exato momento que os policiais militares atiraram à queima-roupa nos suspeitos em uma comunidade do Rio de Janeiro.

O que você achou da maneira como os policiais agiram? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade. #Crime