Bruno Fernandes está com tudo e não está proza. Aos trinta e dois anos e apenas há seis dias em liberdade, o ex-atleta do Flamengo está sendo requisitadíssimo para entrevistas. Ele decidiu nesta quinta-feira, 2, ir até à um fórum da capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, a fim de informar que pretende mudar o seu endereço. Agora o atleta quer voltar a morar no Rio de Janeiro, onde um dia já foi um grande ídolo do Flamengo. A única exigência para Bruno continuar em liberdade era, justamente, essa, ele ter um endereço fixo. É o que está na determinação assinada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello. Foi o magistrado que autorizou o famoso prisioneiro a ser solto. Bruno foi condenado por matar a ex-amante, a mãe de seu filho Eliza Samúdio.

Publicidade
Publicidade

Mesmo condenado a 22 anos e três meses de detenção, ele ficou apenas seis anos e sete meses na cadeia.

Assim que chegou no fórum, Bruno foi muito tietado. Ele estava trajado com uma camisa de torcida do Atlético Mineiro. Fernandes contou um segredo que pode deixá-lo milionário. Mesmo com uma ficha criminal importante, ele está sendo disputado por nove clubes de futebol do Brasil, todos da Séria A e da Série B do Campeonato brasileiro. Por questões de negociação e respeito, Bruno não revelou quais eram essas equipes. Em entrevista ao site da Revista Veja, Luan Veloso Coutinho, que conseguiu o habeas corpus para o atleta, lembrou que a residência fixa de Bruno sempre foi o Rio de Janeiro, até ele ser preso. Por isso, ele decidiu voltar à cidade onde ficou famoso por jogar no Flamengo.

Publicidade

O advogado do atleta, no entanto, informou alguns clubes que teriam feito propostas para Bruno. Um deles foi o Brasiliense, do Distrito Federal. O advogado agora já trabalha para defender seu cliente de outro processo, o de pensão alimentícia. O filho dele com Eliza Samudio, Bruninho, hoje é cuidado pela avó da criança.

Na sua opinião, Bruno deve mesmo voltar a jogar? Deixe seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante. #Crime