Em entrevista para a revista Veja, o presidente Michel Temer disse ter abandonado o Palácio da Alvorada e retornado ao Palácio do Jaburu, moradia oficial do vice-presidente da república, pois segundo ele, aconteceram fenômenos paranormais durante os 21 dias em que esteve na Alvorada. Ele explica que existe uma energia ruim na residência e também alega que não conseguia dormir direito à noite. De acordo com Temer, sua esposa, a primeira dama Marcela Temer, também diz ter sentido uma sensação estranha no ambiente.

Entretanto, seus opositores aproveitaram a ocasião para ironizar o atual presidente, afirmando que a única coisa que pode estar incomodando Temer, são fantasmas da Operação Lava Jato. Em entrevistas para o canal de notícias Diário do Brasil, a ex-presidente Dilma Rousseff disse que morou no Palácio do Planalto durante cinco anos e nunca presenciou nada de anormal. Em comparação com as telas de segurança instaladas no Palácio do Planalto, Dilma explicou que seu neto morou na residência por seis anos, sem nunca ter caído.

O caso acabou repercutindo até na imprensa mundial. Na ocasião, Michel Temer acabou virando motivo de piada e recebeu o apelido de ''Presidente Polteirgeist''. O jornal ''The Guardian'', da Inglaterra, postou em sua página principal o seguinte título: ''#Presidente Michel Temer abandona sua residência reclamando de ''fantasmas''. O jornal destaca ainda o desperdício do dinheiro público em reformas no Palácio da Alvorada para 21 dias de estadia. De acordo com informações registradas em relatórios obtidos por meio da lei de acesso à informação, a reforma custou aos cofres da união o equivalente a R$ 20.279,65.

O diretor do Departamento de Documentação Histórica da Presidência Antônio Lessa explica que não houve nenhuma mudança física nas estruturas do Palácio. pois o prédio é considerado Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Lessa explicou que apenas parte da mobília e alguns objetos pessoais do presidente foram trocados.

A assessoria de imprensa Temer, por sua vez, informou que nunca houve reformas no Palácio da Alvorada, mas alguns serviços de manutenção e reparos, como retoque na pintura das paredes e conserto de armários. A assessoria ainda explicou que o casal decidiu morar no Palácio do Jaburu porque possui o perfil de uma residência. #Política #Gastos de dinheiro público