Desespero e pânico tomaram conta dos funcionários e clientes de uma das lojas da rede #McDonald's no fim da manhã desta terça-feira (7), em São Paulo, uma troca de tiros na lanchonete acabou em tragédia.

De acordo com como portal de notícias online G1, pouco antes do meio dia desta terça-feira, houve uma troca de tiros na lanchonete do MacDonald's localizada na Rua Henrique Schaumann com a Avenida Rebouças, Zona Oeste da capital paulista em uma área nobre com grande movimento de traseuntes e trânsito intenso. Infelizmente o tiroteio terminou em morte.

Morte no McDonald's

Segundo as investigações preliminares da Polícia Militar de São Paulo, um policial civil reagiu a uma tentativa de assalto.

Publicidade
Publicidade

Ele estava dentro do seu carro na fila do drive-thru aguardando o momento em que seria atendido, quando foi surpreendido por pelos criminosos em uma moto que anunciaram o assalto.

A PM informou que o agente reagiu a tentativa de assalto de disparou contra os criminosos, dois meliantes conseguiram fugir em um carro e um terceiro bandido foi baleado e morreu no local. Já a Polícia Civil afirmou que eram apenas dois bandidos e que um deles morreu antes da chegada SAMU - Serviço de Atendimento Médico de Urgência.

Em nota a direção do McDonald's onde aconteceu a tentativa de assalto que terminou em morte, informou que a loja funciona normalmente e que dará todo o apoio necessário para as investigações.

Por voltas das 14h desta terça-feira o corpo do suposto bandido ainda estava no local, caído ao chão próximo ao atendimento eletrônico do drive-thru aguardando a chegada da perícia e a remoção do mesmo.

Publicidade

O carro do policial civil da marca Meriva também estava no local para ser periciado.

O agente não chegou a ser assaltado, haja visto que reagiu de imediato assim que foi abordado.

Somente o acesso ao drive-thru da lanchonete foi isolado, o atendimento interno permaneceu acontecendo dentro da normalidade. Policiais do GOE - Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil seguiram para o local.

As investigações ficaram sob a responsabilidade do DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa). #Violência #Casos de polícia