O Brasil ficou chocado com a notícia que tomou conta das manchetes de todos os jornais nesta sexta-feira (17). A #Polícia Federal desmantelou uma série de irregularidades que vários frigoríficos praticavam pelo país. Intitulada como #Operação carne Fraca pelos federais, o esquema era feito por empresas de pequeno porte a grandiosas como JBS e BRF.

Inclusive, vários famosos que ganharam cifras grandiosas para fazer os comerciais tiveram seus nomes envolvidos no escândalo. A garota propaganda oficial da marca Seara, a apresentadora Fátima Bernardes, o ator global Tony Ramos e o cantor idolatrado por milhões de brasileiros, o rei Roberto Carlos foram alvos de críticas pelos internautas por terem os nomes ligados às marcas que estão envolvidas do esquema fraudulento.

A #fraude foi descoberta pela Polícia Federal através das investigações feitas por grampos. Foram identificadas carnes apodrecidas e fora do prazo de validade, produtos contaminados com salmonela e até era usado o ácido ascórbico, uma substância que pode provocar câncer. O ácido era utilizado para maquiar o produto, além disso eram usadas na fabricação das linguiças a cabeça do porco e papelão era utilizado na produção de salsicha.

Veja as bizarrices encontradas na operação carne fraca:

Carne infectada com salmonela

A salmonela é uma bactéria e pode causar problemas graves a saúde. Os sintomas são fortes dores na barriga, diarreia e vômitos. Carnes contaminadas com essa bactéria eram comercializadas por essas empresas envolvidas na fraude.

Carne apodrecida e fora do prazo de validade

Em um dos diálogos interceptados pela investigação da operação Carne Fraca, empresários envolvidos no esquema discutem a respeito da aparência do presunto que seria comercializado. Um deles afirma que a peça está boa, pois não tem nenhum cheiro de azedo.

A situação é tão chocante que algumas carnes já vencidas há aproximadamente três meses tinham suas etiquetas substituídas e comercializadas como se fossem próprias para consumo.

Uso de substância cancerígena

O acido ascórbico era utilizado por alguns frigoríficos para ‘maquiar’ o produto. O segredinho usado pelas empresas nas carnes estragadas, eram usados na fabricação de salsicha e linguiça e ainda ficou comprovado que a quantidade de carne usada na fabricação desses alimentos era bem menor que o indicado e para ajudar a complementar eram usados outros tipos de substâncias.

Cabeça de animal

A cabeça de porco era usado na produção de linguiças, sendo esse tipo de recurso proibido.

Papelão

Até papelão era colocado nas carnes utilizadas na fabricação de salsichas.