O assassino da modelo Eliza Samudio, o ex-jogador Bruno Fernandes do Flamengo, chegou ao condomínio localizado na zona oeste do Rio de Janeiro, no complexo Pedra do Recreio II, em Vargem Grande. Acompanhado da dentista Ingrid Calheiros, nesta última sexta feira (03), Bruno veio com suas malas para se hospedar e curtir sua liberdade.

O que surpreende é a reação dos moradores do condomínio com a chegada do ex-prisioneiro, as opiniões estão divididas. O estudante Bruno Ribeiro Belo, de apenas 19 anos, se mostrou ansioso pela chegada do goleiro. Ele conta que é torcedor do Flamengo e falou no vídeo abaixo sobre como seria sua reação ao encontrá-lo.

Publicidade
Publicidade

Dá para observar pelo vídeo que tudo seria de forma positiva, veja:

Mas não são todos os moradores que estão tão ansiosos assim com a chegada de Bruno, uma pessoa que não quis se identificar avaliou que a convivência com o assassino será algo muito difícil. "É difícil conviver com uma pessoa que praticou um homicídio. Eu tenho uma filha e fico preocupada né".

No primeiro dia na nova casa, Bruno ficou "quieto" e evitou caminhar e conversar com as pessoas do mesmo complexo residencial. Sua mulher, Ingrid, já era moradora no local. O que também está causando discussões nas redes sociais, é a possibilidade do goleiro tentar uma possível guarda de seu filho com a falecida Samudio, lembrando que Bruno chegou a sequestrar o garoto na época em que mandou matar a modelo.

O advogado do goleiro, Lúcio Adolfo da Silva, disse que aconselhou Bruno a fazer um exame de DNA para comprovar se o menino realmente era filho dele, a criança tem o mesmo nome do pai e vive com sua avó materna.

Publicidade

"Vamos entrar com o pedido e aguardar a decisão judicial para definir a data. Agora é a hora de ele viver a vida dele, em liberdade" contou o advogado para a revista "Extra".

Vida e carreira pós morte de Eliza

Bruno e Ingrid firmaram um relacionamento em 2008, mas o casamento só ocorreu no ano passado. Saindo da cadeia, o ex-goleiro recebeu proposta de dez clubes para trabalhar. O advogado de Bruno é enfático: "estamos em negociação". #assassinato #Crime #Morte