Divulgado o vídeo que mostra o espancamento de um turista argentino, morto no último domingo (26), por cariocas da Zona Sul.

As imagens são fortes. Elas foram registradas por câmeras de segurança instaladas em imóveis bem próximos do local onde ocorreu a briga, na Rua Vinícius de Moraes, em Ipanema.

Os quatro rapazes que agrediram brutalmente o turista estão foragidos. Um deles - Walterson Ferreira Cantuária - teria fugido para a Espanha logo após o ocorrido.

O #Crime vitimou o Matías Sebastian Carena, de 28 anos, que visitava o Rio de Janeiro. Ele estava com amigos. E foram eles que impediram que as sessões de espancamento continuasse, inclusive com barras e até uma multeta.

Publicidade
Publicidade

Conforme a polícia, a confusão aconteceu após as 4 horas da manhã, depois que houve uma discussão durante o pagamento da conta de um bar, na mesma rua.

Matías aparece correndo e sendo perseguido pelos brasileiros. Ele recebe um forte soco e cai batendo fortemente a cabeça no concreto. O choque foi tão grande que os peritos acreditam que ele morreu na hora da pancada.

Mesmo inconsciente e sangrando muito, os cariocas continuaram agredindo a vítima. Quando finalmente pararam, populares tentaram, com manobras de massagem cardíacas, salvar o rapaz. Um motorista de táxi parou e o socorreu até um hospital, mas a suspeita é de que ele já estivesse sem vida neste momento.

A Divisão de Homicídios está a frente das investigações e espera que a população ajude a fornecer pistas para encontrar Walterson e os outros três envolvidos: Pedro Henrique Marciano, conhecido como PH, Júlio Godinho e Thiago Lessa

Cantuária, o rapaz que teria dado o soco no argentino, já é procurado pela Interpol.

Publicidade

A Polícia Federal também já foi notificada sobre as acusações que pesam contra os outros três rapazes. O procedimento visa garantir que eles não consigam fugir do país.

Todos os citados vão ser indiciados por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem chance de defesa da vítima. O promotor que cuida do caso, Homero das Neves Freitas Filho, classificou o crime como hediondo. A pena para esse crime pode chegar a 30 anos de prisão.

#Casos de polícia