Na semana que passou começaram a circular nas redes sociais dois vídeos impressionantes focando um tubarão-baleia. Não se sabe a procedência e a localização exata das cenas, mas ambos os materiais têm algo em comum: o desprezo da raça humana para com #Animais marinhos arriscados de extinção.

Outro ponto em comum entre os dois registros é o fato dos dois bichos estarem encalhados na praia e não terem sido auxiliados a retornarem para o ambiente natural.

No primeiro vídeo é possível ver um tubarão enorme servindo de diversão para um homem que sobe e caminha diversas vezes por seu corpo. Ele parece estar satisfeito em ser filmado naquela situação. Ele é incapaz de ter um gesto de piedade para com a espécie.

No segundo vídeo, ainda mais chocante, uma baleia, provavelmente um filhote que se desgarrou da mãe, aparece encalhada na beira de uma praia. O vídeo é de 2016, mas voltou a ser compartilhado por algumas páginas no Facebook.

As imagens mostram a baleia cercada por uma pequena multidão de curiosos. Os populares observam entusiasmados dois homens com um enorme facão fatiando o mamífero.

No primeiro corte uma quantidade expressiva de sangue escorre. Depois são feitos mais cinco fatiamentos com movimentos semelhante a um destes serrotes usados para cortar troncos de árvores.

Antes de cortar o sexto pedaço os homens arrancam uma das barbatanas. Aliás, essa parte é extremamente rentável, pois a carne é rara e muito apreciada em alguns países da Ásia.

No sexto e no sétimo pedaços, uma quantidade enorme de líquido jorra do interior do corpo da baleia, arrancando exclamações da plateia.

O vídeo segue até o décimo pedaço cortado, mas fica claro que ainda há bastante carne para seccionar. Os presentes que acompanham curiosos cada lance usam os celulares para registrar o momento como sendo uma experiência extraordinária. São ao todo quatro minutos e quatro segundos de imagens fortes.

Nos comentários há muitos protestos de internautas, que dizem que esse tipo de ação é feita por caçadores de baleias em parte da Ásia.

#Polícia #Crime