Em Campo Grande (MS), uma vizinha presenciou, nesta quinta-feira (2), um crime grave. A mulher escutou os gritos de uma criança, foi observar por uma fresta no muro e se deparou com uma menina de 3 anos sendo #abusada sexualmente pelo padrasto.

Ela disse que já havia presenciado o crime em outras ocasiões, mas dessa vez resolveu denunciar o #vizinho, segundo o delegado Fábio Sampaio, responsável pelo a prisão. Desde a denúncia na quinta-feira, a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e adolescente está investigando o caso a fim de apurar evidências para encerrar o inquérito o mais rápido possível.

O delegado relatou que a vizinha ouviu o choro da criança e resolveu da uma olhada por um buraco que tinha no muro: "A criança falava 'para pai' e ela também viu o cidadão com as #calças abaixadas com a criança por cima dele, foi aí que ela resolveu pedir ajuda", disse Sampaio.

Publicidade
Publicidade

Mais duas testemunhas também presenciaram o estupro e acionaram a polícia. O padrasto foi detido poucas horas depois dentro de um bar perto do local onde cometeu o crime. Segundo o delegado, o homem negou a acusação.

Sampaio afirmou que todos os relatos são importantes para a investigação. Ele disse que foram três testemunhas que presenciaram os abusos. A primeira correu na calçada em busca de ajuda, a segunda, assim que presenciou o fato, chamou a polícia, e teve mais uma terceira testemunha que alega ter visto toda a cena.

O delegado explicou que o depoimento da vítima é importante para a polícia e para o juiz, "mas como a criança não soube se comunicar quando foi ouvida, os testemunhos de quem presenciou podem colaborar muito."

Padrasto preso

No momento da prisão, o homem negou que tivesse estuprado a enteada de apenas 3 anos, mas confessou que havia dado cerveja para a criança.

Publicidade

No entanto, ele foi preso em flagrante e se encontra à disposição da Justiça.

Ele pode pegar de 8 a 15 anos de cadeia pelo o crime de estupro e também deve responder por dar bebida alcoólica para uma menor. O acusado tem passagens na polícia por violência doméstica nos anos de 2013 e também 2014.

A menina foi levada para o Instituto de Medicina, onde deve fazer exames para confirma se realmente houve o estupro. O resultado deve sair em 10 dias.

Mãe da criança

A mãe da menina, que também será ouvida pelo delegado, deverá ser responsabilizada por crimes de abandono e até de ter participado do estupro, se for confirmado que sabia dos abusos. Quando os policiais chegaram, a menina foi encontrada sem calcinha e a mãe estava dormindo com forte cheiro de bebida alcoólica. Assista ao vídeo sobre a prisão: