De acordo com uma reportagem assinada pelo jornalista Fernando Ribeiro e publicada nesta terça-feira, 26, no site 'Massape Ceará', duas grandes facções criminosas estariam colocando o estado nordestino em alerta. O Brasil, que no início do ano viveu uma guerra entre facções, agora ganha um novo episódio em torno do assunto. Isso porque as facções criminosas de maior destaque no Nordeste começaram a se comunicar e algumas evidências acabaram sendo flagradas através de conversas em redes sociais. As facções teriam decidido se unirem contra o governo estadual atual para colocar, pelo menos, quinhentos bandidos para realizarem crimes diversos, especialmente na capital cearense, a cidade de Fortaleza.

Publicidade
Publicidade

A ação tem até nome, 'Exército dos 500 irmãos'. Toda a ação, como mostra a reportagem, ocorreu depois que o governo do estado, munido de uma parceria com promotores de Justiça, tentou um acordo com os bandidos que fazem parte do GDE, Guardiões do Estado. O objetivo da ação governamental é evitar que a cidade de Fortaleza seja vítima de atentados. É comum nessa região, quando os criminosos estão bem irritados, ataques ao comércio, mas especialmente a ônibus, impedindo um dos direitos mais simples e necessários de qualquer sociedade, o direito de ir e vir.

As duas facções que se unem e prometem colocar centenas de homens nas ruas são o Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN). A última, em especial, ficou conhecida ainda mais pela matança promovida em presídios do estado do Amazonas em janeiro deste ano.

Publicidade

Na época, as mortes chegaram até a ser filmadas e colocadas em vídeos nas redes sociais. Presos rivais foram esquartejados ou decapitados. Um teve o seu sangue retirado para formar a sigla FDN no chão. Uma verdadeira barbaridade, que chegou a ser alvo de reportagens internacionais e teve até a ação do governo federal, que prometeu mais aporte na questão das seguranças dos presídios brasileiros.

O Comando Vermelho e a FND prometem invadir as ruas de Fortaleza, caso o governo não transfira pelo menos 70 presos do GDE (já mencionado anteriormente) para outras prisões. No comunicado enviado às autoridades, os bandidos solicitam que esses criminosos passem a ser monitorados em cadeias que já seriam da sua facção criminosa. O recado, é claro, é para evitar que as duas facções irmãs entrem em confronto com a rival e uma nova matança aconteça. O GDE é próximo a outro grupo criminoso, um dos mais conhecidos em São Paulo, o Primeiro Comando da Capital, o PCC. #Crime