Valéria Oliveira tem 52 anos e é dona de casa. Há cerca de um ano, ela tomou uma decisão de amor, mas vista como polêmica. Valéria decidiu ajudar o seu filho homossexual e seu marido a terem filhas. Ela é mãe de Victor, que tem um casamento com Roberto há três anos e meio. Hoje eles são pais de duas meninas, gerada pela sogra de Roberto. Com dois meses, Valentina e Alice são garotinhas perfeitas. O casal queria muito ter filhos e estava tentando adotar uma criança recém-nascida. Eles queriam passar por tudo que um casal tradicional passa, mas a adoção com crianças mais novas costuma ser a mais difícil e demorada. Foi por isso que a vovó de plantão se ofereceu para gerar as crianças.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao jornal 'O Globo', ela com lágrimas no rosto disse que "não se sente mãe" das garotas, mas sim realizando um sonho que sempre teve, o de ser avó. Como Victor era seu filho único, ela decidiu batalhar para fazer com que a imagem de ver a família aumentasse acontecesse rapidamente. O genro de Valéria, Roberto, no início, não achou a ideia das mais positivas. Roberto explicou que ela já é uma senhora e que uma gravidez nessa idade não seria das mais fáceis. Pelo contrário, que poderia colocar sua vida em risco e que sabendo da importância dela na vida de seu marido, de uma coisa ele tinha certeza, que não faria sentido ter filhos e ela ter que morrer para isso. Não estar ali para ver tudo. Somente a possibilidade de seu falecimento já o deixava muito preocupado.

Publicidade

O genro, que trabalha como contador, diz que a sogra é uma pessoa maravilhosa.

Victor, que é bombeiro, acabou levando a mãe ao médico e ele tranquilizou o trio. Eles fizeram vários exames e mesmo estando no período que antecede a menopausa, Valéria era uma mulher fértil e completamente saudável. Demorou apenas quinze para ela descobrir que da fertilização veio a gravidez. A surpresa foi ainda maior, quando eles descobriram que ela estava grávida de duas meninas. A gestação, segundo a avó das bebês, foi das mais tranquilas, sem nenhum tipo de enjoo. A família, no entanto, decidiu não contar que a avó não era mãe das meninas no princípio. O motivo era a dificuldade para que todos entendessem que ela biologicamente não era mãe das crianças, mas uma espécie de "forno", gerando as crianças. O óvulo utilizado foi de uma mulher anônimas. Foram fertilizados espermatozoides dos dois rapazes e nenhum deles sabe qual foi o que fertilizou o útero e gerou as crianças. #Maternidade