Na tarde desta última terça-feira (11), uma investigação foi aberta pela Polícia Militar da Paraíba para entender os mistérios que envolvem um jogo que pode terminar no suicídio de jovens. Trata-se de uma brincadeira divulgada através de aplicativos de celular que conta a participação, sobretudo de adolescentes. O jogo vem sendo disseminado através do Whatsapp pelos próprios adolescentes, que tentam influenciar outros rapazes e moças para participarem.

A brincadeira tem o nome de ‘ desafio da Baleia Azul’, e segundo o que já foi apurado pela polícia, tem dominado o cenário em João Pessoa. De acordo com o coronel Arnaldo Sobrinho, o jogo é perigoso e pode induzir ao auto-extermínio.

Publicidade
Publicidade

O setor de inteligência da polícia já apurou a participação de inúmeros jovens, que têm como objetivo angariar cada vez mais pessoas. Quase como uma roleta-russa o jogo consiste em cinquenta desafios, que começam com os adolescentes escutando músicas psicodélicas.

Atrás das mensagens existe um ‘instrutor’ que é a pessoa responsável por dar as ordens da ‘brincadeira’. O participante só teria autorização para começar a executar as ordens dadas a partir de quatro e vinte da manhã, e assim deve ir cumprindo as demandas até que consiga chegar ao desafio de número cinquenta que é o de tirar a própria vida. Para conseguir chegar ao objetivo final, o jogador deve enfrentar uma série de perguntas, e fazer uma infinidade de ações que também não são fáceis.

A desconfiança da polícia militar veio depois que diversas denúncias foram feitas nesse último fim de semana, tanto por jovens, quanto por pais que descobriram a brincadeira.

Publicidade

Segundo o coronel, os familiares precisam estar atentos em que seus filhos visualizam e mexem ao celular. Ao contrário do que os pais pensam esse não é um simples aplicativo de jogo comum, e sim um game extremamente perigoso. As denúncias chegaram até a polícia desde o último domingo (09), quando foi sinalizado que uma infinidade de adolescentes já estava participando.

A suspeita se confirmou quando uma jovem denunciou ao Coronel Arnaldo que tinha sido convidada na tarde de ontem para fazer parte do jogo, que vem acontecendo em várias escolas da zona sul da capital. Esse teria sido o indício que motivou a abertura das investigações. O coronel publicou hoje em suas redes sociais, alertando aos pais sobre o possível jogo que pode terminar em morte. No texto colocado em sua página na internet ele explica do que se trata e como é feita a brincadeira, pedindo aos genitores que monitorem os celulares de seus filhos, caso desconfiem que algo do tipo possa estar acontecendo.

#Crime #Casos de polícia