Nesta terça-feira, 4, um vídeo de uma mulher sendo humilhada por bandidos foi divulgado nas redes sociais. Não se sabe a relação dos criminosos com a mulher, que foi acusada de deixar os filhos pequenos em casa e sozinhos, apenas para ir com uma amiga para o baile funk da comunidade. A vítima da situação, que é a mãe das crianças, é identificada nas imagens apenas como Natália. Ela é uma mulher bonita e tem até roupas bonitas. Um dos homens aparece com uma máquina de cortar cabelo na mão, enquanto outro filma toda a sequência, que pode ser vista como tortura ou feminicídio.

Durante o vídeo, que dura poucos minutos, Natália não oferece qualquer tipo de resistência.

Publicidade
Publicidade

Os homens zombam dela durante toda a gravação. Um deles até pega uma espécie de gilete e corta sua sobrancelha. A mãe das crianças que foi com a amiga até o baile funk parece que está prestes a chorar, mas ela engole o choro. Esse tipo de humilhação é bastante comum nas comunidades dominadas por traficantes. A mesma ação já foi divulgada nas redes sociais várias vezes. Os bandidos atacam algo que as mulheres, no geral, consideram muito importante, a vaidade.

Quase sempre, o cabelo é a principal área atingida. Outros vídeos, além do raspar dos cabelos tem ainda agressões físicas latentes. O Governo Federal tem um telefone gratuito, no qual as pessoas podem denunciar essa e outras ações. Basta ligar para o 180 e dar detalhes de que tipo de violência uma mulher está sofrendo. Não é necessário se identificar.

Publicidade

Os atendentes, dependendo da situação, mandam autoridades para o local e ver o que está acontecendo.

Assista abaixo ao vídeo que mostra a mulher sendo humilhada com o seu cabelo raspado. As imagens teriam sido gravados por um amigo do homem que realiza o ato, que pode ser visto como criminoso.

Na sua opinião, alguma mulher merece esse tipo de violência, mesmo até que tenha trocado os filhos para ir a um baile funk? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre importante e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade. #Crime