A Polícia Civil procura maiores indícios sobre a morte do casal que foi encontrado sem vida no Hotel Maksound Plaza, no último domingo (16). Eles também estão conferindo todas as imagens que foram gravadas pelas câmeras de segurança interna do hotel de luxo, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP). As imagens das câmeras internas não foram divulgadas para manter sigilo nas investigações. Segundo os órgãos responsáveis pelo caso, Luis Fernando Hauy Kafrune, de dezenove anos, disparou um tiro contra sua namorada, Kaena Novaes Maciel, de dezoito anos, tirando a vida da jovem e depois se matando.

O delegado Gilmar Pasquini Contreta, titular do 5º Distrito Policial e responsável pelo caso, em entrevista ao portal G1, investiga um possível pacto de morte entre o casal.

Publicidade
Publicidade

Também foi encontrado pela polícia, no quarto 1509 do Hotel Maksound Plaza, no décimo quinto andar, papéis e manuscritos que faziam menção ao suposto suicídio dos estudantes, uma pistola, que segundo a polícia foi furtada do padrasto da estudante Kaena, arma essa que foi encontrada na mão de Luiz já sem vida.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, as provas encontradas no quarto do hotel foram enviadas ao órgão responsável pelo caso, para identificação das impressões digitais. Os familiares dos envolvidos vão prestar esclarecimentos nesses próximos dias.

Os jovens, que tinham retomado o relacionamento há pouco tempo, encontraram-se no sábado (15) afirmando que iriam a um shopping da região, só que logo após eles deram entrada no Hotel Maksoud Plaza, que se localiza na Alameda Ribeirão, um bairro nobre da cidade.

Publicidade

A família da jovem só conseguiu localizar Kaena graças a um rastreador que é acoplado ao smartphone da estudante. Os familiares procuraram o hotel, e após conversarem com alguns funcionários, teriam entrado em contato com o Departamento de Polícia, que ao chegar dentro do quarto, já encontraram os jovens mortos.

O suposto #Suicídio de Fernando e Kaena teve entrada no 78º Departamento de Polícia, Jardins, inicialmente como homicídio seguido de suicídio, só que o delgado de plantão disse que foi instaurado um inquérito como “morte suspeita a esclarecer”, por ainda estar aguardando os resultados da perícia para ter certeza de que Luis atirou e matou Kaena, e logo em seguida se matou. #SaoPaulo #Casos de polícia