Um #Crime hediondo acabou com cinco pessoas mortas neste domingo (2), durante uma festa na cidade de Cabixi, estado de Rondônia.

A chacina vitimou garotos e garotas com idades de 15 a 24 anos. Apenas três eram maiores de idade.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Conforme a Polícia Militar, quatro atiradores invadiram uma festa na casa de um adolescente de 17 anos. Os homens mandaram todos os presentes deitarem de bruços e, na sequência, dispararam as armas, poupando apenas uma menina e um menino. A garota tinha 17 anos e o menino, 13. O dono da festa foi uma das vítimas.

Não é possível fazer o reconhecimento dos assassinos, pois todos estavam de capacete.

Publicidade
Publicidade

Cabixi fica distante 800 quilômetros da capital Porto Velho. A festa com os sete amigos contava com um churrasco.

Assim que os criminosos foram embora, os sobreviventes correram pelas redondezas para pedir socorro.

A polícia foi chamada por moradores e, ao chegar no local, na Rua Xingu, encontraram as vítimas já sem os sinais vitais. A perícia esteve no local e recolheu para análise quatro projéteis. Também apreendeu quatro estojos e um cigarro de maconha.

Em Colorado do Oeste, para onde foram encaminhados os corpos das vítimas, serão feitas análises periciais mais detalhadas sobre os ferimentos a bala.

Na tentativa de capturar os autores da chacina, as guarnições da Polícia Militar das cidades vizinhas fizeram barreiras e comandos nas fronteiras municipais. Até o momento, os suspeitos não foram identificados.

Publicidade

Testemunhas já estão sendo ouvidas pelo delegado de Colorado do Oeste para obter mais pistas que possam elucidar o caso.

A vítima mais jovem é Leonardo Emerson Pecorari, de apenas 15 anos de idade. Valdair Massaroli é o segundo mais novo, com 17 anos. Francinei Alves da Silva, de 20, e Larissa Massaroli, de 23, são as duas vítimas do sexo feminino. O mais velho a morrer foi Wesley de Araújo, de 24 anos.

A polícia ainda não divulgou o que teria motivado o crime e diz que nenhuma possibilidade está descartada.

#Casos de polícia